José Gomes, treinador do Marítimo, em declarações na conferência de imprensa, após a derrota dos insulares diante do Portimonense.

«Sabíamos que o Portimonense ia tentar corrigir o que mostrou nos três jogos anteriores, em que estiveram melhores na segunda parte do que na primeira. Entrámos fortes, estávamos bem num jogo repartido e equilibrado.

Há uma falta por assinalar sobre o Xadas, que resulta no primeiro golo. Na realidade, os três golos [do Portimonense] são muito estranhos. A forma como a bola ressaltou no segundo e o terceiro é precedido de falta, com empurrão pelas duas mãos nas costas do Pelágio. Não é possível ajuizar e arbitrar e conhecer a intensidade dos movimentos. Há falta ou não há falta. O que aconteceu foi falta. O Pelágio desviaria a bola de cabeça, como foi empurrado não conseguiu. Há uma infração que devia ter sido marcada e que resultou no terceiro golo. Pode ter sido coincidência por tudo aquilo que se falou durante a semana por parte dos responsáveis do Portimonense e aquilo que aconteceu no jogo de hoje.

Sem fugir à responsabilidade e aos erros que os meus jogadores cometeram, há aqui um peso muito grande da terceira equipa que não devia ter existido. Estamos tristes pelos erros que cometemos e frustrados por terem acontecido outros erros que não podemos controlar. Estamos indignados. Mostrámos competência suficiente para que a distribuição dos pontos fosse diferente.»

[sobre a situação depois desta derrota]

«Fica pior. Depois de uma derrota, as coisas não ficam melhores. Seria diferente se tivéssemos ganhado. Abordamos o jogo para ganhar. Não o conseguimos, muito pelas razões que acabei de invocar, mas estamos focados e sabemos o que temos de fazer para dar a volta à posição em que nos encontramos. Está tudo em aberto e estamos com vigor e energia suficientes para dar a volta a isto.»

Jorge Anjinho / Estádio de Portimão