Figura: Nuno Santos

Vestiu a pele de Pote e tornou-se figura ao fazer o golo que abriu o marcador: um golo pleno de oportunidade, ao surgir em zonas de finalização para desviar com classe. Mas Nuno Santos foi bem mais que o golo. Aliás, não só foi por isso que vestiu a pele de Pote: foi também pela capacidade de jogar mais por dentro, a agitar o ataque e a criar pelo menos mais duas ocasiões claras de golo.

Positivo: Pedro Porro

Estreou-se a titular esta temporada e em boa hora o fez: que grande jogo realizou o lateral. Por exemplo, a assistência para o golo de Nuno Santos é sublime, desde a desmarcação ao cruzamento, foi tudo muito bom. Para além disso, Pedro Porro foi o habitual comboio desgovernado no apoio ao ataque, sempre à procura de criar desequilíbrios. Pelo caminho ainda rematou às malhas laterais.

Momento: e o minuto 16 tudo mudou

O Sporting não tinha entrado bem no jogo e até estava a ter bem menos profundidade ofensiva que o FC Porto. O jogo até andava mais em cima da baliza de Adán. Até que Matheus Nunes fez uma abertura que libertou Porro, o espanhol correu com a bola e cruzou para o desvio subtil de Nuno Santos. O Sporting marcou no primeiro remate e a partir daí o jogo leonino mudou completamente.

OUTROS DESTAQUES:

Matheus Nunes

Mais uma grande exibição, mas neste caso não há nada de novo: Matheus Nunes parece não saber jogar mal. Sempre muito interventivo, está constantemente na linha da bola, defende, ataca, canaliza jogo e surge várias vezes no ataque. A capacidade de levantar a cabeça e fazer fluir o jogo é notável.

João Palhinha

A competência habitual no meio campo, impondo a capacidade física nos momentos em que o Sporting estava por cima para dominar o espaço e empurrar o adversário para trás. Recuperou várias bolas, como sempre, e ameaçou marcar numa bola parada em que cabeceou por cima da barra.