A figura: Sporar

Já se percebeu que o avançado esloveno não reúne propriamente as características que Rúben Amorim pretende para a posição 9, dentro do modelo de jogo que cimenta, mas Sporar já justifica uma oportunidade a titular. Fez o golo do empate, ao minuto 82, e esteve também ligado à jogada do 2-1, logo de seguida. Entrou determinado, a dar mais trabalho aos centrais gilistas do que Jovane, tanto a explorar a profundidade como a aparecer na área para finalizar.

O momento: a classe de Bragança ao dispor de Tomás

Apenas dois minutos depois da igualdade, e a seis dos 90, o Sporting deu a volta ao marcador. Um lance que nasce num alívio de Nuno Santos, alimentado pela determinação de Sporar e concluído por Tiago Tomás, assistido com enorme categoria por Daniel Bragança. O jogo pediu mais cedo a criatividade do jovem esquerdino, mas ainda foi a tempo de contribuir para a vitória leonina.

Outros destaques

Rodrigão

Exibição muito sólida do patrão da defesa gilista, sobretudo na primeira parte, com alguns cortes importantes. Teve apenas uma distração, mas logo no lance do 2-1 do Sporting: surpreendido pela verticalidade do passe de Daniel Bragança, deixou fugir Tiago Tomás.

Nuno Santos

Passou muito tempo “desligado” do jogo, mas quando apareceu, foi perigoso. Na primeira parte teve dois lances em que conseguiu incutir velocidade pelo corredor, e depois, no período da reviravolta, e já numa altura em que fazia todo o corredor, esteve ligado a dois golos. Se no segundo essa participação esteve “limitada” a um corte na zona defensiva, no primeiro participa tanto no momento do desequilíbrio, em combinação com Nuno Mendes, como depois no toque de cabeça que faz a bola chegar a Sporar.

Pedro Gonçalves

Uma exibição bem mais apagada do que as anteriores, tanto a partir da ala como na posição 8, mas a confirmar a relação especial com a baliza: é que, ainda assim, acaba por assumir a autoria do 3-1 e tem participação também no segundo golo leonino.

Nuno Travassos / Estádio José Alvalade, Lisboa