Rúben Amorim, treinador do Sporting, analisa a vitória sobre o Gil Vicente, por 3-1, em jogo em atraso da ronda inaugural da Liga:

[sobre a entrada de Sporar e Tiago Tomás, com influência no marcador] «Também a entrada do Dani [Bragança], que acaba por fazer a assistência para o segundo golo. É o papel de toda a gente, não pedi nada de especial. O Sporar para ser mais um homem na área, o TT [Tiago Tomás] para dar velocidade, pois estávamos precipitados, a lançar muitas bolas no espaço, e ele é forte nisso, tentámos outro tipo de movimentos, até para confundir a defesa contrária. Depois os golos também dão muito essa imagem, pois o TT já teve jogos em que esteve melhor. Mas eles entram e dão tudo, e eu não posso pedir mais. Deram a volta ao resultado, e o trabalho dos jogadores que entram é melhorar o rendimento da equipa. Estão todos de parabéns.»

[pegando na assistência do Daniel Bragança, que ainda está a conquistar o seu espaço, e na ausência do João Mário…não falta ao Sporting, muitas vezes, alguém que invente espaço quando ele é mais difícil de encontrar?] Eu vejo isso em todas as equipas. O Dani entrou com esse intuito, o passe foi bom e o movimento do TT também. Mas isso acontece com qualquer equipa. Já vi equipas de outro nível, de outros campeonatos, a ter esse problema. É complicado, os treinadores são bons, o Gil preparou muito bem o jogo e estávamos desinspirados. Acontece. O Matheus também é capaz de inventar espaços, de arrancar com a bola, mas hoje não esteve inspirado. O Dani teve um momento de alguns inspiração que nos desbloqueou o jogo. Não foi a preparação do jogo que fez a diferença, o mister Rui Almeida preparou bem o jogo, foi a diferença de qualidade dos jogadores que fez a diferença hoje.»

[sobre o papel que Daniel Bragança pode assumir] «É a primeira vez que está na Liga, mas toda a gente conhece a qualidade dele: muito forte com a bola no pé, muito inteligente. Faltam outras coisas, mas quero realçar a postura dele, até porque veio o João Mário, que veio ocupar um pouco o espaço dele, mas continuou a trabalhar e hoje entrou e fez a assistência.»

[a aposta em Jovane a 9 é para continuar?] «Se é para continuar, não sei. Fez a pré-época ali, teve jogos muito bons, está à procura do melhor espaço, e consoante os jogos vamos escolher entre ele e o Sporar. Estou satisfeito com ele, dá o máximo e vai melhorar. Estão todos disponíveis, e como se viu hoje às vezes os jogadores que saem do banco são tão importantes como aqueles que iniciam o jogo.»

Nuno Travassos / Estádio José Alvalade, Lisboa