Rúben Amorim garante que o Sporting não pensa no segundo lugar que, em caso de triunfo nesta quarta-feira, pode ficar a nove pontos.

Na antevisão à partida diante do Gil Vicente, a contar para a 29.ª jornada, o treinador lembrou que os leões estão mais próximos do Sp. Braga, quarto classificado, do que o do Benfica, segundo.

«Já foi dito várias vezes que não pensamos em lugares. Temos distância menor para o quarto do que para o segundo. Uma derrota pode mudar a forma como se vê uma equipa. Nesta fase não é importante o que os outros fazem, mas o que nós fazemos. E temos muito para melhorar»

Perante a insistência na pergunta se o segundo lugar poderia ser motivação extra, Amorim disse que os jogadores leoninos têm muito em jogo nesta fase final do campeonato.

«A motivação tem de ser jogo a jogo. Estes jogadores do Sporting estão a ganhar lugar no onze e na próxima época. Se isso não é motivação suficiente, teremos um problema. Representar o Sporting é maior motivação que podem ter. E acho que toda a gente vai querer fazer parte daquilo que estamos a construir», aponta.

Na antevisão ao encontro com os leões, Vítor Oliveira, treinador do Gil Vicente, declarou que o Sporting ainda procura uma identidade e defendeu não acreditar que o Sporting pudesse lutar pelo título com a equipa que tem neste momento. Amorim disse não ser capaz de adivinhar o futuro, mas garante que a equipa está preparada para vencer os gilistas.

«Eu estou focado no presente. E esta equipa é capaz de vencer o Gil Vicente se estiver bem e tiver fome que tem vindo a demonstrar. Se não tiver, vai passar muitas dificuldades. Mas para amanhã, este grupo está preparado para vencer. E é só para isso que eles têm de estar preparados, não é para o próximo ano, porque ainda não chegámos lá», disse, dando o exemplo de Jovane.

«Se calhar há três semanas diriam que o Jovane seria dispensado, ou que teria poucas oportunidades. O futebol é mesmo assim e por isso é que dá tanto entusiasmo. Para mim, ver estes miúdos semana a semana é sempre entusiasmante.»

O Sporting, juntamente com o Portimonense, faz parte das equipas que ainda não perderam desde a retoma. A justificação, segundo Amorim, é fácil de identificar.

«Nós fazemos o nosso trabalho. Alguns diriam que é muita sorte, eu digo que é trabalho e sorte, tudo misturado, mas os jogadores têm feito um trabalho fantástico e aproveitado as oportunidades. E o segredo é o trabalho deles e o envolvimento na equipa», sublinha.

Adérito Esteves / Estádio de Alvalade, Lisboa