Silas, treinador do Sporting, fez a antevisão da receção ao Moreirense deste domingo e desvalorizou ou facto de os leões terem vencido em casa todos os confrontos com os cónegos.

«A estatística não entra. Quando começar o jogo temos de fazer pela vida. Ir à procura dos golos. O Moreirense vai tentar o mesmo. O facto de termos ganho os jogos todos em casa e eles não, não conta», apontou o técnico.

«Corremos riscos. A nossa forma de jogar é essa. Meter muita gente na frente. Tentar fazer golos. Criar ocasiões de golo. Depois temos de ser mais assertivos também na nossa defesa. Os jogos que perdemos foram assim. Controlámos o jogo todo e num ou outro erro que cometemos atrás acabámos por perder o jogo», recordou Silas, dando como exemplo as derrotas contra Tondela e Gil Vicente.

«Um golo no último minuto pode mudar a perceção daquilo que é o jogo. Há erros que não podemos cometer. Contra o Moreirense, vai ser parecido com isso. Nós a controlar contra uma boa equipa. Mas não podemos cometer erros que cometemos contra o Gil e contra o Tondela. Que acabam por mandar a estratégia toda por água abaixo», acrescentou o técnico leonino.

Silas voltou ao duelo da jornada anterior, no qual o Sporting perdeu com o Gil Vicente por 3-1, para dar uma visão diferentes sobre a prestação dos verde e brancos.

«Estive a rever o jogo e mudei a perceção que tinha antes: fizemos muita coisa boa. Mas tivemos dois erros individuais que ditaram o resultado. O nosso jogo não foi assim tão mau. Mas a verdade é que um golo no último minuto muda muitas vezes a perceção a perceção do que é o jogo. Já fiz jogos em que joguei muito bem, levei um golo no último minuto e saí com a sensação de que não tínhamos feito um jogo tão bom e já fiz jogos em que levámos com três ou quatro bolas nos postes, marcámos um golo no final e sai toda a gente contente. Há pequenos detalhes que mudam a perceção dos jogos. Não foi assim tão mau como se diz, mas há erros que são maus e que não podemos cometer. Tenho muita confiança nos meus jogadores e de que vamos jogar para ganhar e controlar o jogo.»

(artigo atualizado)

David Marques