Declarações do treinador do Tondela, Natxo González, na sala de imprensa do Estádio Municipal de Famalicão, após a vitória por 3-2 frente ao Famalicão, em jogo da 13.ª jornada da Liga:

[Se considera esta uma vitória da eficácia:] «Sim… (pausa). Sim, vem-me à cabeça a oportunidade do Murillo na segunda parte, mas sim. Os dois primeiros golos são as primeiras oportunidades e, logicamente, isso dá uma situação que nos últimos jogos não tivemos: ficar à frente do marcador. Com o 1-2, esta equipa [Famalicão] insistiu muito e sabíamos que tínhamos de fazer mais um golo para poder ganhar. Muitas aproximações da área, é difícil sobreviver perante tal domínio, mas fizemos três golos.»

«Sobretudo, valeu a reação da equipa depois de duas derrotas, a primeira experiência na Liga de duas derrotas consecutivas, o mais importante foi a resposta a essa situação. Como treinador, satisfaz-me a resposta a uma situação de dificuldade.»

LEIA MAIS: toda a reportagem do Famalicão-Tondela

[Saída do João Pedro:] «Teve desgaste e um trabalho importante. Nesse momento, estávamos com o João por dentro e o Murillo e o Xavier por fora, entre os centrais e os laterais. Isso podia criar espaços com ambos e, por outro lado, o negativo: possivelmente eles, com os laterais, podiam gerar superioridade. Por isso decidi pelo Denilson à frente, para aguentar bola e fechar os corredores com o Murillo e o Xavier.»

[Se o Famalicão foi dos adversários mais complicados:] «Mais fortes sim, a classificação está aí, é por alguma coisa. O jogo posicional que têm, sou um fã deste tipo de jogo, igual ao do V. Guimarães, têm jogadores de qualidade e que desequilibram. Eles saem bem da pressão e decidimos juntar-nos e sair mais em contra-ataque, porque na perda de bola, sabíamos que podiam sofrer e foi o que deu frutos. Mas é uma equipa que exige muito de ti.»

Ricardo Jorge Castro / Estádio Municipal de Famalicão, Famalicão