FIGURA: Pasinato
Só não travou a grande penalidade, de resto segurou tudo que havia para segurar. Não teve uma noite de muito trabalho, é certo, mas ainda assim foi sujeito a uma série de intervenções difíceis. Já perto do final do encontro viu André Pereira isolar-se à sua frente, encurtou a margem de manobra e acabou por resolver. Decisivo para a conquista do ponto amealhado pelo Moreirense.

MOMENTO: golo de Steven Vitória (56’)
Redimiu-se o central do Moreirense. Depois de cometer grande penalidade o central apareceu ao segundo poste a encostar para o fundo das redes no golo que dá o empate aos Cónegos. Apareceu na hora certa para desviar o cabeceamento de Halliche, que ganhou nas alturas no coração da área defensiva do V. Guimarães.

POSITIVO: adeptos do Vitória em serenata à chuva
A espaços choveu copiosamente, de forma abruta, e os adeptos do Vitória na bancada descoberta levaram com a intempérie. Uma verdadeira serenata à chuva que não fez esmorecer o apoio. Pelo contrário, a equipa de Ivo Vieira jogou praticamente em casa uma vez que até teve mais adeptos nas bancadas. «A chuva para nós é sol», cantaram. Do lado do Moreirense os adeptos colocaram uma tarja em que podia ler-se «parabéns nosso grande amor, 81 anos», em alusão ao aniversário do clube.

OUTROS DESTAQUES

Marcus Edwards
Mesmo com pouco espaço para grandes malabarismos, o extremo britânico causou desequilíbrio no lado direito. Com a sua finta curta, Marcus pôs a cabeça em água a Conté, estando em grande parte dos lances de perigo do Vitória.

Fábio Pacheco
Regressou ao onze e voltou a ser uma das figuras da equipa montada por Vítor Campelos. Fortíssimo na luta travada no setor intermediário, sempre com critério na ocupação de espaços.

Bruno Duarte
Jogo de muita luta no ataque do Vitória, muitas vezes vigiado de perto e com pouco espaço de manobra. Viu Pasinato negar-lhe o golo em duas ocasiões e foi travado em falta no lance no qual resultou a grande penalidade que permitiu ao Vitória adiantar-se no marcador.

Luther Singh
Velocíssimo, o sul-africano foi a principal unidade dos ataques rápidos do Moreirense. Bate o canto que dá o golo aos Cónegos naquele que foi o lande de maior montra de uma prestação com várias intervenções de registo.

Bruno José Ferreira / Parque de Jogos Comendador Joaquim de Almeida Freitas, em Moreira de Cónegos