A FIGURA: MAKARIDZE

Teve uma primeira parte errática, causou um sem número de taquicardias nos adeptos sadinos, mas redimiu-se com boas defesas. Foi bravo a negar o golo a Banjaqui na melhor ocasião de golo da primeira parte e foi a tempo de corrigir uma saída precipitada da baliza, desviando para canto um cabeceamento de Welinton que ia na direção da baliza aos 42 minutos. Na segunda parte continuaram os calafrios, sobretudo quando insistiu em fintar avançados do Aves na zona da pequena-área. Passou com distinção aí e ainda defendeu um penálti de Mohammadi que daria o 1-0 aos visitantes. Noite de loucos para recordar!

 

O MOMENTO: golo de Berto. MINUTO 59

O Vitória ainda se refazia de um susto gigante quando Hildeberto atirou a contar para o primeiro e único golo do jogo. O avançado sadino rematou para uma primeira defesa de Beunardeau e foi lesto a chegar antes de todos para a recarga.

 

OUTROS DESTAQUES:

Mansilla: ativo no corredor esquerdo, participou no melhor que o Vitória produziu nos 45 minutos iniciais. Procurou alvejar um par de vezes a baliza de Beunardeau e quase foi bem sucedido a abrir a segunda parte, mas atirou ao lado quando aparecia com perigo na zona do segundo poste. Nem sempre definiu da melhor forma os lances, mas esteve entre os melhores da equipa de Júlio Velázquez.

Zequinha: a largura de um campo separou-o de Mansilla, mas foi com ele que revelou melhor entendimento. Numa das vezes serviu-o para uma das melhores oportunidades de golo do jogo.

Zidane Banjaqui: teve nos pés a melhor oportunidade da primeira parte, quando deixou para trás Artur Jorge e apareceu na cara de Makaridze, e serviu Welinton com um passe teleguiado antes do descanso. Jogou de cabeça levantada.

David Marques / Estádio do Bonfim, Setúbal