A FIGURA: CÁDIZ, que mais?

Incansável: no ataque sadino, ora nas batalhas com os centrais, ora quando procurava os desequilíbrios pelo corredor direito. O avançado venezuelano está longe de ser um jogador de fino recorte técnico, mas dá um jeito tremendo a esta equipa de Sandro e hoje até sacou um cruzamento de letra. Falhou o golo aos 13 minutos, chegou ligeiramente atrasado aos 21m, mas não desperdiçou ao minuto 37. Tem faro para aparecer muitas vezes no sítio certo. Os seis golos marcados pelos sadinos na segunda volta são todos dele.

 

O MOMENTO: golo de Cádiz, MINUTO 37

O golo que o V. Setúbal já fazia por justificar surgiu aos 37 minutos, num desvio «à matador» de Jhonder Cádiz a passe de Éber Bessa. O remate certeiro acabou por chegar para que os sadinos somassem os três pontos pelo segundo jogo consecutivo. A permanência ainda não está assegurada, mas está muito perto.

 

OUTROS DESTAQUES

Éber Bessa: exibição muito interessante do médio no reencontro com a equipa que representou durante quatro temporadas. Serviu bem os companheiros e arrancou cruzamentos perigosos. Foi dele a assistência para o desvio de Cádiz à boca da baliza para o 1-0.

Rúben Micael: sólido no meio-campo e com muito critério na distribuição de jogo. Teve ação participativa no golo de Cádiz, ao colocar rapidamente em Éber Bessa na área.

Edgar Costa: foi provavelmente o elemento mais sólido da equipa de Petit. Combateu como pôde o deserto de ideias ofensivas da equipa visitante e ainda assistiu Joel para um golo que foi anulado pelo VAR já nos 20 minutos finais.

David Marques / Estádio do Bonfim, Setúbal