O Tribunal Penal Individual de Atenas condenou o treinador português Vítor Pereira a oito meses de prisão, com pena suspensa, por incitação à violência.

O caso remonta a fevereiro de 2015, quando Vítor Pereira era treinador do Olympiakos, e no clássico com o Panathinaikos se deslocou junto à Porta 13, a claque do adversário, fazendo um gesto para a bancada.

A claque começou então a atirar objetos e engenhos pirotécnicos para o campo e invadiu o relvado, levando a que o treinador se refugiasse no túnel até haver condições de segurança.

O técnico, que atualmente orienta o Shangai SIPG, da China, não esteve presente no julgamento.

Recorde-se que, embora o Olympiakos tenha vencido a partida, a Federação Grega de Futebol acabou por retirar os três pontos ao clube por comportamento incorreto. Além disso, o Olympiakos foi ainda condenado a pagar uma multa de 100 mil euros e à realização de dois jogos à porta fechada.

Esta não é a primeira vez que Vítor Pereira tem problemas com a justiça grega. Em 2017 foi condenado a oito meses de prisão com pena suspensa pelo Tribunal Penal Individual de Atenas por outro incidente em 2015, num jogo dos quartos-de-final da Taça da Grécia em que o técnico português se dirigiu de forma provocatória aos adeptos do AEK de Atenas na sua celebração. Esta atitude levou mesmo à suspensão da partida.