O luto também se fez de exposição mediática, e ultrapassou os três dias oficiais. Foi possível ver nas imagens da televisão, nos excertos de discursos que a rádio passou e nas citações que apareceram na imprensa que Soares deixou um enorme legado de conteúdos. Estes registos serão sem dúvida um recurso para o futuro, pois a qualidade da democracia não se faz apenas de eleições periódicas, mas de referências perenes.

Soares passou mais tempo de vida em ditadura, mas boa parte das menções à sua marca salientaram sobretudo o seu papel na entrada na antiga CEE (tão diferente da UE em que Soares passou a estar desconfortável) e no seu confronto com o PCP (com o qual afinal houve muitas, crescentes até, aproximações nos últimos anos em torno de um número cada vez mais numeroso de temas-desafio). 

Enfim, os media são sobretudo uma máquina de edição: não um espelho. Alguns comentários foram capazes de inserir justos corretivos na imagem distorcida gerada pelas televisões e jornais, como os de Manuel Alegre e Francisco Louçã. 

Sim, houve muito e significativo comentário de grande qualidade. Alguns textos foram estes: Miguel Esteves Cardoso, Ferreira Fernandes, Fernanda Câncio, Pedro Santos Guerreiro, Daniel Oliveira ou Rui Tavares. O que mostra como Mário Soares reverbera em pessoas que nos habituaram a trabalho de grande qualidade: esse é o maior elogio. E isso também é muito fixe.

 

Ficha técnica:

O Barómetro de Notícias é desenvolvido pelo Laboratório de Ciências de Comunicação do ISCTE-IUL como produto do Projeto Jornalismo e Sociedade e em associação com o Observatório Europeu de Jornalismo. É coordenado por Gustavo Cardoso, Décio Telo, Miguel Crespo e Ana Pinto Martinho. A codificação das notícias é realizada por Rute Oliveira, João Lotra e Sofia Barrocas. Apoios: IPPS-IUL, Jornalismo@ISCTE-IUL, e-TELENEWS MediaMonitor / Marktest 2015, fundações Gulbenkian, FLAD e EDP, Mestrado Comunicação, Cultura e Tecnologias de Informação, LUSA e OberCom.

Análise de conteúdo realizada a partir de uma amostra semanal de aproximadamente 411 notícias destacadas diariamente em 17 órgãos de comunicação social generalistas. São analisadas as 4 notícias mais destacadas nas primeiras páginas da Imprensa (CM, PÚBLICO, JN e DN), as 3 primeiras notícias nos noticiários da TSF, RR e Antena 1 das 8 horas, as 4 primeiras notícias nos jornais das 20 horas nas estações de TV generalistas (RTP1, SIC, TVI e CMTV) e as 3 notícias mais destacadas nas páginas online de 6 órgãos de comunicação social generalistas selecionados com base nas audiências de Internet e diversidade editorial (amostra revista anualmente). Em 2016 fazem parte da amostra as páginas de Internet do PÚBLICO, Expresso, Observador, TVI24, SIC Notícias e JN.