Dos jogados contratados pelo clube para a época 2004/2005, alguns irão participar no fundo que encaixou 5,75 milhões de euros com as últimas transferências do clube dos Dragões.

«Estamos em negociação com o FC Porto no sentido de participar em novos jogadores que o clube tenha adquirido, de forma a «substituir» os jogadores que saíram do fundo e do clube», divulgou Pedro Pires, do Grupo First Portuguese, à Agência Financeira.

Do conjunto de jogadores iremos escolher aqueles que fazem mais sentido, não só aqueles que consideramos que possuem potencial, assim como aqueles que permitem diversificar o fundo em termos de idade do jogador, da posição do campo, etc.», acrescentou o director de novos negócios da entidade que gera os fundos do FC Porto, do Boavista e do Sporting.

Na lista das novas aquisições do Futebol Clube do Porto fazem parte Giorgio Seitaridis, Pepe, Areias, Diego, Hugo Leal, Raul Meireles, Rosseto, Quaresma, Hélder Postiga. De entre estes nomes irão sair alguns que se vão transformar em activos para o fundo desportivo do FC Porto.

Recorde-se que o fundo do FC Porto arrecadou 5,75 milhões de euros com a venda de passes de quatro jogadores, nomeadamente Ricardo Carvalho, responsável por mais da metade dos ganhos do fundo, com cerca de três milhões de euros.

O investimento mínimo é de 25 mil euros, pelo que quem investe neste tipo de activos são «particulares de elevado rendimento e instituições», afirmou Pedro Pires.

O fundo desportivo do Porto é o mais recente, criado em 2004, cujo valor líquido dos activos é de 100 euros. O fundo desportivo do Sporting possui o valor mais elevado. Cada unidade de participação ascende a 182,17 euros, enquanto que no fundo desportivo do Boavista o valor é de 97,74 euros.

Acções de fora de transferências e vitórias dos clubes

Ao contrário dos fundos, as acções revelam-se um mau investimento. Quando o FC Porto registou a melhor a melhor época futebolística em 2003/2004, ao ganhar a Liga dos Campeões, a Super Taça e o Campeonato da SuperLiga, as acções da Sociedade Desportiva registaram uma forte desvalorização. Desde o início do ano, as acções do Porto SAD já desvalorizaram 10% desde o início do ano. Com uma desvalorização menor, o título do Sporting SAD diminuiu em 5% o seu valor.

A transferência e as vitórias têm pouca influência nos títulos desportivos. «Este é um tipo de acções que despertam muito pouco interesse nos investidores. São mais os adeptos dos próprios clubes que investem neste tipo de títulos», afirmou um operador à Agência Financeira.
Sandra Pedro