Em «Equador», os números são grandes. As 528 páginas, 400.000 exemplares vendidos em 15 países, deram origem a 26 episódios, rodados em cinco países, envolvendo 120 actores, quase 500 técnicos e milhares de figurantes. A novela que Miguel Sousa Tavares chega à televisão a dia 21 de Dezembro, anunciou o director da TVI, José Eduardo Moniz, durante a apresentação da série que decorreu esta terça-feira num jantar na estação do Rossio, em Lisboa.<br/><br/><a href= http://www.modaesocial.iol.pt/consola.php?tipo=1&art_id=1019622&pagina=1 target=_blank><b>VEJA AS FOTOS</b></a><br/><br/>Passadeira vermelha para os actores e convidados, a série «Equador» foi apresentada pelo presidente delegado do grupo Prisa na Mediacapital, Manuel Polanco, que sublinhou, com «grande orgulho» no trabalho final, que este vem demonstrar que «também Portugal pode competir na produção audiovisual internacional» e que esta indústria «pode beneficiar a economia portuguesa».<br/><br/><a href= http://www.modaesocial.iol.pt/noticia.php?id=1019618&div_id=2453 target=_blank><b>Vídeo: as revelações de Alexandra Lencastre</b></a> <br/><br/>Esta série foi para José Eduardo Moniz um processo difícil. «Por vezes eu tive simultaneamente tanta preocupação e tanto prazer. Sinto-me orgulhoso», confessou o director da estação que, apesar de ter previsto uma participação fugaz na série, acabou por não poder fazê-lo por motivos de agenda.<br/><br/><a href= http://www.videos.iol.pt/consola.php?projecto=257&mul_id=12809986&v_sort=1&v_order=DTENTRADA&tipo_conteudo=1&tipo=2&id_conteudo=&referer=1&query=&pagina=1 target=_blank><img src= http://multimedia.iol.pt/backoffice/oratvi/multimedia/imagem/id/12809985/300></a><br/><br/>Já Miguel Sousa Tavares, que se estreou como autor nesta que foi a sua primeira novela, aparece frente às câmaras como o Conde de Mafra. Uma «graça», segundo assume, que se resume a escassas cenas. «Estou curioso de ver a cara dos meus personagens. Imaginei-os mil vezes», diz Miguel de Sousa Tavares em declarações o <i>IOL Moda & Social</i>, que assume ter visto ainda apenas cerca de 10 minutos de filmagens em bruto.<br/><br/><a href= http://www.videos.iol.pt/consola.php?projecto=257&mul_id=12809975&v_sort=1&v_order=DTENTRADA&tipo_conteudo=1&tipo=2&id_conteudo=&referer=1&query=&pagina=1 target=_blank><img src= http://multimedia.iol.pt/backoffice/oratvi/multimedia/imagem/id/12809970/300></a><br/><br/>De forma genérica, os actores destacam a gradiosidade desta mega-produção da TVI e descrevem na primeira pessoa as suas personagens.<br/><br/><a href= http://www.videos.iol.pt/consola.php?projecto=257&mul_id=12809983&v_sort=1&v_order=DTENTRADA&tipo_conteudo=1&tipo=2&id_conteudo=&referer=1&query=&pagina=1 target=_blank><img src= http://multimedia.iol.pt/backoffice/oratvi/multimedia/imagem/id/12809982/300></a><br/><br/>O trailer de «Equador» foi mostrado pela primeira vez nesta apresentação da série. As imagens tentam resumir o enredo das histórias que se cruzam com a de Luís Bernardo Vilaça (Filipe Duarte), e retrata o fim do império colonial na recta final do reinado de D. Carlos e a tentativa de salvar S. Tomé e Príncipe cuja economia sucumbe a um boicote inglês e ao levantamento esclavagista.<br/><br/>A série teve na sua adaptação a coordenação do argumentista Rui Vilhena, a realização de André Cerqueira e uma produção do Plano 6.