Ricardo Soares, treinador do Moreirense, depois da vitória sobre o Marítimo por 2-1:

«Fizemos um grande jogo, extraordinário. Queríamos pressionar e circular por dentro, para ter situações de finalização. Podíamos ter feito mais golos. Gerimos bem o jogo, tivemos falhanços imperdoáveis e depois sofremos um golo de bola parada. Os meus jogadores mereciam a vitória por números diferentes.»

[o abraço a Felipe Pires]

«Significou gratidão. A função deles é trabalhar no limite e estes jogadores superaram-se. Devemos ter uma ligação emocional forte aos atletas e fazer tudo para que eles cresçam. O Felipe tem qualidade excelente e vai melhorar mais. Quero que os meus jogadores sejam melhores a cada dia que passa.»

[sobre a qualidade de jogo]

«O jogo foi muito bem conseguido e é pena não estarem cá os adeptos. Mas não os esquecemos. A vitória é para eles. As vitórias sabem sempre bem, com mais estética ou menos estética. Hoje fizemos o que todos os treinadores querem. Aliámos o resultado – e nós vivemos de resultados – à qualidade da exibição.»

[sobre a estreia de Afonso Figueiredo e a adaptação de Ferraresi]

«Conheço bem o Afonso há muito e sabia o que podia dar à equipa. Foi importante ele ficar do meu lado no início do jogo. Tivemos reuniões constantes com ele, quisemos que ele tivesse o menor número de dúvidas possível, demos-lhe imagens em vídeo para ele perceber o que pretendíamos. Ele fez este jogo devido ao caráter que tem. O Ferraresi também foi adaptado, mas às vezes gosto de fazer adaptações nos treinos precisamente para este tipo de situações. Fizeram um grande jogo, felizmente para nós.»

Pedro Jorge da Cunha / no Estádio Comendador Joaquim Almeida de Freitas, em Moreira de Cónegos