A música que foi mais difícil cantar para George Michael, que morreu domingo, dia de Natal, foi o tema “Somebody to Love” de Freddie Mercury. O próprio o reconheceu.

“É ridículo”, afirmou o cantor numa entrevista citado pelo jornal britânico The Independent, “um minuto está aqui em cima e no outro minuto está aqui em baixo”. 

O vocalista dos Queen morreu em 1991 e no ano seguinte, em abril de 1992, grandes nomes da música atuaram no Estádio de Wembley num concerto tributo à memorável voz de Freddie Mercury. 

Se dúvidas houvesse quanto ao talento de George Michael, o que ele fez nos ensaios e em palco, acompanhado pelo resto do grupo Queen, não deixou ninguém indiferente. Nem a própria banda, que ficou "impressionada". 

George Michael foi o melhor”, terá afirmado Brian May depois do concerto. “Há um certo tom na sua voz quando cantou ‘Somebody to Love’ que era puro Freddie”, escreve o The Independent.

Mas mesmo antes de chegar ao palco, os ensaios faziam adivinhar uma atuação brilhante, apenas possível para vozes únicas.

Desde que foi anunciada a morte de George Michael, este domingo, que começou a circular nas redes sociais um vídeo dos ensaios em que se pode também ver David Bowie – que também morreu este ano – e Seal, rendidos no bastidores.

 

O próprio George Michael descreveu o momento como o de "maior orgulho da sua carreira", mas um orgulho misturado com "real tristeza". Não só porque Freddie Mercury tinha falecido - soube-se depois que tinha HIV - mas também porque foi nessa altura que George Michael soube que o seu namorado secreto - a sua homossexualidade ainda não era publicamente assumida - estava infetado com o vírus HIV. Anselmo Feleppa, acabou por falecer um ano depois, em 1993.

Em palco, no tributo a Freddie Mercury participaram também os Extreme, os Metallica, os Guns N' Roses, os Def Leppard, David Bowie, Annie Lennox e Elton John. Entre outros. Veja aqui a atuação em palco.

  
Redação / PP