Os tributos a Chadwick Boseman, o ator de 43 anos que interpretou T'Challa em “Pantera Negra”, o filme de super-heróis, e morreu esta sexta-feira vitima de cancro, chegam de todo o lado.

O site da BBC News, para os EUA e Canadá, cita muitos desses testemunho num fim-de-semana em que o mundo da sétima artes está de luto e ainda mais porque o estado de saúde do ator, aparentemente, não era do domínio do público.

"É um golpe esmagador", escreveu o ator e realizador Jordan Peele.

O grito de guerra "Wakanda Forever" tornou-se viral, com celebridades, ativistas dos direitos humanos e fãs a postarem mensagens emocionantes.

"Que alma gentil e talentosa. Mostrando-nos toda a grandeza entre cirurgias e quimioterapia. A coragem e força que são precisas para fazer isso. É este o rosto da dignidade", escreveu a estrela de televisão Oprah Winfrey.

O filho mais velho do ativista dos direitos humanos Martin Luther King, Martin Luther King Jr, disse que Boseman "deu vida à história" nas suas representações de indivíduos negros proeminentes, incluindo o jogador de baisebol, Jackie Robinson, e o cantor de soul, James Brown.

O jornalista, Clint Smith, fez eco de outros comentários no seu  Twitter, ao escrever sobre o quanto o “Pantera Negra” significava para seu filho que idolatrava T'Challa, a personagem interpretada por Boseman.

Ava DuVernay, que dirigiu uma série de filmes e documentários poderosos, incluindo Selma, sobre a luta pelos direitos civis na década de 1960, escreveu "que  tenha um belo regresso, rei."

No ano passado, Boseman disse que o filme mudou o que significa ser "jovem, talentoso e negro".

Ele é "um grande motivo pelo qual nossos filhos não precisam de se perguntar sobre o que é um super-herói negro", tweetou o escritor Brian Josephs.

O premiado músico John Legend chamou Boseman de "uma luz brilhante [que] trouxe graça, elegância e poder a tudo o que fez. Sempre pareceu que carregava os nossos antepassados com ele".

Segundo a BBC, foram muitos os que no Twitter chamaram a atenção para o trabalho que Boseman produziu enquanto já vivia com o cancro no colon, após ser diagnosticado em 2016.

"Durante esse tempo, deu-nos a Guerra Civil, Marshall, Pantera Negra, Guerra do Infinito, Endgame, 21 Bridges e Da 5 Bloods ", escreveu o jornalista Jemele Hill.

Hollywood também prestou uma homenagem ao ator, incluindo o Marvel Studios, que criou o “Pantera Negra”, bem como a Disney e a Academia, responsável pelos Óscares, que falou de "uma perda incomensurável".

E a lista de manifestações de perda e gratidão não ficou por aqui. Outras estrelas da Marvel partilharam os seus sentimentos de perda no Twitter e no Instagram. Mark Ruffalo, que interpretou Hulk, escreveu: "Tudo o que tenho a dizer é que as tragédias que se acumularam neste ano só se tornaram mais profundas com a perda de Chadwick Boseman."

Tom Holland, que atualmente interpreta o Homem-Aranha, disse que o ator era "ainda mais herói fora das telas" e chamou-o de modelo para milhões de pessoas no mundo.

Segundo o site Hello!, dedicado a notícias de celebridades, no Instagram, o ator Chris Hemsworth de Thor escreveu: "Vou sentir sua falta, companheiro. Absolutamente comovente. Uma das pessoas mais gentis e genuínas que conheci. Envio amor e apoio para toda a família. RIP."

Já Brie Larson tuitou: "Chadwick era alguém que irradiava poder e paz. Que representava muito mais do que ele mesmo. Que dedicava tempo para, realmente, ver como o outro estava e tinha palavras de encorajamento quando nos sentiamos inseguros."

Chris Evans também deixou uma mensagem nas redes sociais: "É muito doloroso. Chadwick era especial. Um verdadeiro original. Era um ator profundamente comprometido e constantemente curioso. Ainda tinha tantos trabalhos incríveis para fazer. Estou infinitamente grato por nossa amizade. Descansa no poder, Rei. " 

/ ALM