A morte de Paulo Gonçalves fez com que alguns pilotos portugueses expressassem as suas condolências públicas ao motociclista vitimado na etapa de hoje do Dakar.

O piloto do Moto GP Miguel Oliveira recorreu às redes sociais para recordá-lo como «um exemplo para todos».

«Paulo, deixaste uma marca profunda na vida de quem teve o privilégio de se cruzar contigo. A tua coragem e valentia são exemplo para todos nós. Descansa em paz», lê-se na publicação no Instagram que é acompanhada pela fotografia de Paulo Gonçalves.

Por sua vez, Tiago Monteiro, ex-piloto de Fórmula 1, agora no Mundial de Carros de Turismo (WTCR), escreveu: «Um guerreiro, uma pessoa incrível! Descansa em paz amigo.» 

Também António Félix da Costa lamentou a tragédia. «Um dos maiores guerreiros do nosso desporto. Deixou nos a fazer o que mais gostava. És um tigre Paulo. Descansa em Paz!», escreveu o piloto português da Fórmula E.

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Um dos maiores guerreiros do nosso desporto. Deixou nos a fazer o que mais gostava. Es um tigre Paulo. Descansa em Paz!

Uma publicação partilhada por Antonio Felix da Costa (@afelixdacosta) a

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Um guerreiro, uma pessoa incrível! Descansa em paz amigo🙏🙏. Gone too soon😔😔🙌 ✊✊✊✊ #braaaap

Uma publicação partilhada por Tiago Monteiro (@tiagosworld18) a

Também os compatriotas Ruben Faria e Hélder Rodrigues expressaram a sua angústia pela partida de Paulo Gonçalves.

«Com profunda tristeza que recebi esta notícia! Paulo, eras mais que um colega de profissão, tu eras um grande amigo, crescemos juntos naquilo que sabíamos fazer, partiste a fazer aquilo que mais gostavas, andar de moto», escreveu Faria, via Facebook.

Já Hélder Rodrigues, na mesma rede social, frisou: «Amigo, há tantos anos que estávamos a buscar o mesmo sonho e objetivo, lutando, lutando, e tu partiste agora. Descansa em paz meu querido, sempre com a força que tiveste até hoje. Eras um grande guerreiro e assim vais ficar na nossa cabeça e coração», sublinhou.

Na Arábia Saudita, o piloto português António Maio afirmou que viveu a pior etapa da sua carreira. «Passei [por Paulo Gonçalves], estavam a fazer manobras de reanimação e percebi logo que era grave. Não é fácil, é a pior etapa da minha vida», afirmou o capitão da GNR, à página de Facebook Brasil no Dakar.

A equipa de Gonçalves, a Monster Energy Honda, disse que nunca esquecerá o «amigo» Paulo Gonçalves. «Descansa em paz, Paulo. Nunca te esqueceremos».

Diretor da equipa Honda que levou Paulo Gonçalves pela primeira vez ao Rali Dakar, em 2006, o antigo piloto Paulo Marques, de Famalicão, lembrou um «lutador» e um «profissional». «Ninguém merece uma coisa destas, mas ele ainda menos. Era daqueles que nunca desistia», afirmou o famalicense, à Lusa.

Artigo atualizado às 15h04