A mais recente criação da divisão automóvel da McLaren (não confundir com a formação de Fórmula 1), o 720S, estreia uma nova tonalidade laranja na lista de cores, o Azores Orange, como o arquipélago dos Açores.

A tonalidade laranja tem um efeito pérola, que torna a carroçaria mais brilhante à luz do Sol. Mais: a tonalidade segue o legado histórico da marca de Woking, porque os primeiros carros de competição da McLaren estavam pintados de cor de laranja, tal como o atual monolugar de Fórmula 1, cuja cor é denominada “Papaya Orange”.

De resto, o 720S promete ser a maior dor de cabeça de Lamborghini Aventador e Ferrari 812 Superfast. O motor é um V8 de 4.0 litros com 720cv, que permite acelerar dos 0 aos 100 km/h em menos de três segundos e atingir os 341 km/h de velocidade máxima.

A travar, os números são igualmente impressionantes: 4,6 segundos e 117 metros, quando rola a 200 km/h.

O interior destaca-se por um painel de instrumentos digital e retrátil que oferece duas possibilidades de visionamento, entre o completo e apenas o essencial, para que o “piloto” se concentre na condução.

No caso da opção “essencial”, a única informação à vista será a básica para condução em pista, como a do conta-rotações, relação de caixa engrenada, temperatura do óleo e de motor, além da pressão dos pneus. Nada mais.