A Nissan adquiriu 34% de ações da Mitsubishi e torna-se o maior acionista da marca dos três diamantes.

O acordo no valor de 237 mil milhões de yens (cerca de dois mil milhões de euros) foi oficializado pela Nissan.

O negócio traduz-se na entrada da Mitsubishi na aliança já existente entre a Renault e a Nissan formando um dos maiores grupos mundiais ao nível das vendas de automóveis.

Carlos Ghosn – presidente e diretor executivo da Nissan e a Renault será o presidente do conselho de administração da Mistubishi Motors, que manterá Osamu Masuko como diretor executivo.

«Uma das razões por que quis que o sr. Masuko permanecesse como CEO foi porque quis que as pessoas na Mitsubishi soubessem que a Mitsubishi vai continuar Mitsubihsi (...) e não uma subsidiária da Nissan», afirmou Ghosn, citado pela agência Reuters.

A partilha de recursos e de operações estima uma poupança anual na ordem dos 25 mil milhões de yenes (quase 220 milhões de euros) para a Mitsubishi com vista a uma margem de lucro de 2% em 2019.