Mais de três mil condutores foram multados por não saberem “fazer” as rotundas desde que o “novo” Código de Estrada entrou em vigor, em 2014.

Os dados são da Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (ANSR) e divulgados esta segunda-feira pelo “Jornal de Notícias”.

A regra em vigor estabelece que a circulação deve ser feita à esquerda, começando a encostar-se à direita apenas quando está próximo da saída.

Mas, segundo a GNR, uma das causas para as transgressões é a falta de uniformização das rotundas. “Não têm todas a mesma configuração”, afirma o major Paulo Gomes ao JN.

Já o presidente do Automóvel Club de Portugal (ACP), Carlos Barbosa, lamenta que em Portugal se continue “a conduzir mal”.

A Prevenção Rodoviária Portuguesa (PRP) explica que “existem rotundas com diversas configurações e dimensões, devendo o condutor adotar um conjunto de normas específicas”.

São elas:

Ao aproximar-se de uma rotunda o condutor deve reduzir a velocidade e, sempre que existam duas ou mais vias de trânsito, utilizar a via de trânsito mais conveniente ao seu destino (fig.1 e 2) .

Ao entrar numa rotunda o condutor deve ceder a passagem a quem nela circula, seja qual for a categoria ou tipo de veículo.

A circulação nas rotundas deve ser feita de acordo com o ilustrado nas figuras 3, 4, 5, e 6.

Os condutores de veículos de tração animal ou de animais, de velocípedes e de automóveis pesados, podem circular sempre pela via de trânsito mais à direita, mas devem facultar a saída aos condutores que circulem na rotunda, reduzindo a velocidade ou parando, se necessário.

Para sair da rotunda, o condutor deve ocupar com antecedência a via de trânsito mais à direita, sinalizando para a direita a sua intenção de sair.

Autoportal