Marco Paulo descobriu recentemente que sofre de cancro da mama e, no dia do seu 75.º aniversário, foi submetido a uma intervenção cirúrgica para retirar o tumor e o peito.

Em entrevista no Jornal da Uma da TVI, o cantor revelou que quando descobriu o caroço abaixo do mamilo, desvalorizou o assunto, porque pensou que "aquilo, infelizmente, era só um assunto das senhoras".

"Nunca me passou pela cabeça que isso pudesse acontecer aos homens e aqui um alerta bastante forte e grande para que os homens se precavenham e de vez em quando toquem também no seu peito. É muito raro [o cancro na mama num homem]", conta.

Vinte anos depois de vencer um cancro no cólon, o cantor Marco Paulo luta novamente contra o cancro.

"Sentia o tumor, sentia aqui o caroço, mas não ligava muito porque pensava que aquilo era uma coisa passageira, que não ia acontecer nada", acrescentou.

Depois da descoberta, o cantor foi visto por um médico e o diagnóstico não foi positivo.

"Fiz um exame e nesse primeiro exame que eu fiz foi logo detetado que eu tinha de tirar o peito porque tinha um tumor no peito. E não foi fácil.... [...] Fui ao médico para tratar de um problema simples - tirar um sinal - e a doutora que me consultou perguntou-se se eu tinha mais algum problema. E um familiar e uma amiga que estavam comigo disseram "não doutora, veja aí o peito". E a médica apalpou-me os peitos e quando chegou a este [ao direito], que já foi retirado, notou que alguma coisa não estava bem e mandou-me fazer exames. Fui e no dia dos meus anos fui operado e foi-me tirado o peito direito".

Emocionado, Marco Paulo confessou que "tenta superar o melhor possível" e que tem mantido o assunto em segredo para não preocupar as fãs, a quem agradeceu o apoio incondicional.

"Eu já fiz uma quimioterapia, vou fazer cinco sessões de 15 em 15 dias e vou fazer aquilo que os médicos me aconselham para recuperar novamente. A minha força, a minha vontade, a minha fé e o meu desejo de vencer mais esta batalha é grande e quero agradecer o apoio que me têm dado". 

O cantor português lembrou que esta é uma batalha difícil e que apesar do prognóstico ser positivo - "pode haver uma recuperação e um resultado como houve há 20 anos" - lhe custa muito voltar a passar por esta doença.

"As pessoas sabem quanto eu as amo, quanto eu gosto delas. Pediram-me tanto para eu não chorar hoje, mas eu não sou de pedra, não sou de ferro. Eu sou humano e só eu é que sei o que é que estou a atravessar neste momento. (...) Vamos ultrapassar, mas eu nunca sei. A minha fé e a minha vontade de vencer esta luta é grande, porque ninguém gosta de ter uma doença grave, e eu vou tentar ultrapassar."

Quanto ao concerto marcado para 21 de março "espera que se mantenha".

"Vou fazer todos os possíveis para subir ao palco no Porto".

/ AM