O concerto de Ariana Grande agendado para 11 de junho no Meo Arena em Lisboa mantém-se, confirmou fonte da Everything is New à TVI24.

Contactada esta terça-feira à tarde, a promotora garantiu que, "até à data", o concerto "continua agendado e não há informação do contrário". 

Até à data, a informação de que os concertos - quer em Portugal, quer no estrangeiro - foram cancelados é errada. Na própria página da cantora ainda é possível comprar bilhetes para os concertos de quinta e sexta-feira na O2 Arena em Londres", afirmou a mesma fonte.

As notícias de que os concertos da cantora teriam sido cancelados começaram a surgir depois do ataque de segunda-feira na Arena de Manchester. 

O Estado Islâmico já revindicou o ataque que ocorreu esta segunda-feira no final de um concerto de Ariana Grande, na arena de Manchester. Segundo o último balanço oficial, divulgado esta terça-feira pela polícia, a explosão provocou 22 mortos e 59 feridos.

O atentado foi realizado por um bombista suicida já depois de a cantora norte-americana ter terminado o espectáculo e abandonado o palco. Eram cerca de 22:30.

Ariana Grande é o ídolo de muitas crianças e adolescentes e a maioria do público era, por isso, muito jovem, conforme se pode verificar nas imagens do local que foram partilhadas nas redes sociais. De resto, a polícia confirmou que há várias crianças entre as vítimas. 

Georgina Callander, de 18 anos, foi a primeira vítima mortal a ser identificada. Era uma grande fã de Ariana Grande e, no domingo, tinha voltado a publicar no Twitter uma fotografia que tinha tirado com a cantora há dois anos, dizendo que estava “muito entusiasmada” pela aproximação do concerto em Manchester.

Outra das vítimas identificadas é Saffie Rose Roussos, de oito anos, que estava no concerto de Ariana Grande com a irmã e a mãe, que ficaram feridas e foram hospitalizadas.

Esta terça-feira, as autoridades detiveram um homem de 23 anos por suspeitas de ligação ao atentado, no sul de Manchester. Isto mesmo foi confirmado pela polícia britânica.

Uma informação que surgiu depois de Theresa May ter anunciado que a polícia já conhece a identidade do alegado bombista que se fez explodir na arena. Numa declaração ao país, a primeira-ministra britânica não revelou o nome do atacante, acrescentando que as autoridades estão a investigar a possibilidade de haver mais envolvidos.