George Michael morreu este domingo, tinha 53 anos. Ícone da pop, vendeu mais de 100 milhões de álbuns ao longo de uma carreira que se estendeu por quase quatro décadas, reconhecida com dois prémios Grammy e muitos êxitos. É uma voz que desaparece neste dia 25 de dezembro, no dia do seu Last Christmas - o último Natal, uma das músicas que, ironicamente, muitos hoje relembraram. 

"Ele faleceu serenamente em casa", disse a polícia do condado de Oxfordshire depois do alerta dado pelo serviço central de ambulâncias. O seu agente Michael Lippman confirmou mais tarde que terá morrido devido a "falha cardíaca". 

Durante a noite, a família divulgou um comunicado a confirmar o óbito: "É com enorme tristeza  que confirmamos que o nosso querido filho, irmão e amigo morreu pacificamente na sua casa no período natalício".

VEJA TAMBÉM

De acordo com a BBC, o alerta foi dado pelas 13:42, hora local, pela equipa de emergência médica que foi chamada à propriedade de George Michael, em Goring. As autoridades referiram ainda que não há qualquer suspeita de crime na morte do cantor. No entanto, desconhecem-se ainda as razões da sua morte.

Nas redes sociais, nomeadamente no Twitter, muitos choram a perda de mais um artista mundial neste que está a ser um dos anos mais tristes para as artes de todo o mundo. Elton John manifestou-se "profundamente chocado" pela morte do "amado amigo", mas foram muitos os músicos a lamentarem mais este desaparecimento.

40 anos de música

George Michael nasceu a 25 de junho de 1963 como Georgios Kyriacos Panayiotou, em Londres, no Reino Unido. O pai era um restaurador cipriota grego e a mãe uma dançarina inglesa. Tinha duas irmãs mais velhas, Melanie e Yioda. Chegou a dizer que não teve uma infância feliz, com os pais a lutarem por uma vida melhor e sem tempo para o carinho que uma criança precisa de receber. Na adolescência, a família mudou-se de Londres para o condado de Hertfordshire e foi aí que conheceu o amigo Andrew Ridgeley, com quem viria a formar os Wham!.

George Michael e  Andrew Ridgeley no início dos Wham!

George Michael lançou a sua carreira em 1981 com os Wham!, numa dupla com Andrew Ridgeley, tendo tornado célebres temas como "Wake Me Up Before You Go-Go" - o primeiro sucesso -  e "Careless Whisper", entre muitos outros como um dos temas que, anos após ano, a época natalícia traz de volta, "Last Christmas". São muitos os temas memoráveis.

George Michael a interpretar tema de Elton John, com este ao piano, no concerto Live Aid de 1985

Os Wham! acabaram em 1986 com um mega concerto no Estádio de Wembley e um feito histórico: foram a primeira banda pop a atuar na China.

O concerto de despedida dos Wham! no Estádio do Wembley, em 1986

Logo depois de se separar dos Wham! gravou um disco com um dos seus ícones, Aretha Franklin. " I Knew You Were Waiting (For Me)" foi lançado em 1986.

Esta foi também uma época de descoberta interior para George Michael, pois na sequência do fim dos Wham! acabou por descobrir que não era bissexual, mas sim homossexual, segundo revelou numa entrevista.

Princesa Diana com George Michael, em 1985 

Em 1990, lança o livro "Bare", onde revela romances com Brooke Shields e com a modelo Kathy Yeung, bem como um flirt com a princesa Diana, que conheceu no concerto Live Aid, em 1985. "Não havia dúvida de que estava atraída por mim", admitiu depois numa entrevista citada pelo Daily Mail.

Mais tarde conheceu aquele que viria a ser o seu grande amor. No Brasil, aquando da sua digressão "Cover to Cover", conheceu o estilista Anselmo Feleppa, que viria a morrer em 1993 com sida. O óbito do namorado viria a arrastá-lo para uma depressão. No ano seguinte, dedicou-lhe "Jesus to a Child", música que chegou de imediato ao nº1 do top de singles britânico.

Dono de uma voz que ficará para a história, um dos momentos mais recordados da sua carreira é a atuação num concerto de tributo aos Queen, em 1992, no Estádio de Wembley. Interpretando "Somebody to Love", juntou-se aos membros da banda de Freddie Mercury, falecido com sida no ano anterior, numa atuação que ainda hoje é considerada das melhores da sua carreira. Neste concerto participaram os Extreme, Metallica, Guns N' Roses, Def Leppard e amigos de Freddie Mercury como David Bowie, Annie Lennox, Elton John e o próprio George Michael.

George Michael a interpretar "Somebody to Love" num concerto de tributo aos Queen, em 1992

Mas voltemos atrás. Os anos seguintes ao fim dos Wham! foram de intensa criatividade. Michael lançou "Faith" no final de 1987, o seu primeiro álbum a solo que viria a revelar-se um enorme sucesso, conquistando o top britânico e norte-americano e tendo vendido mais de 25 milhões de cópias em todo o mundo.

Apesar do êxito, este foi um álbum polémico, desde logo por causa do título da música que originou o primeiro single: "I Want Your Sex". Muitas rádios inglesas e americanas recusaram-se a passar o tema, outras chegaram a trocar a palavra "sexo" por "amor", palavra bem mais consensual. Mas apesarde toda a controvérsia, o single chegou aos lugares cimeiros dos tops de ambos os países.

Por este trabalho discográfico, George Michael levou para casa o seu primeiro Grammy, em 1989.

>

Videoclip de "I Want Your Sex"

Depois do sucesso de "Faith" e de uma digressão mundial que arrastou multidões, George Michael lançou um disco mais introspectivo que não colheu o mesmo entusiasmo do público. Trata-se de "Listen Without Prejudice Vol. 1". Para este álbum não lançou singles nem videoclips. No volume II deste trabalho o músico daria início a uma batalha de anos com a editora Sony.

A música de George Michael foi revelando o seu lado pessoal, com os altos e baixos da pop star a sobressaírem. Com "Jesus to a Child", dedicada a Anselmo Feleppanico, surge ao fim de três anos, em 1996, o álbum "Older". No disco estão várias referências à sua sexualidade e é nesta altura que se mostra ao mundo com uma imagem diferente, com a barba e as calças de ganga a darem lugar ao cabelo curto e às calças de cabedal.   

Mas depois deste álbum, um novo revés na sua vida. A morte da mãe, vítima de cancro, viria a arrastá-lo para uma depressão prolongada que quase o levou ao suicídio, segundo admitiu anos mais tarde, tendo sido travado pelo seu novo parceiro, o norte-americano Kenny Goss.

Em abril de 1998, o músico foi detido em Berverly Hills, EUA, devido a um incidente numa casa de banho pública, quando assediou um polícia à paisana para sexo. Um ato de atentado ao pudor que o levou a cumprir 80 anos de serviço comunitário.

Dá a volta por cima. Depois de um álbum de covers lançado em 1999, George Michael lançou "Patience" em 2004, um novo trabalho discográfico que o levaria de novo às tabelas dos discos mais vendidos.

George Michael lutou contra o consumo de álcool e drogas durante anos, chegando a consumir 25 cigarros de marijuana por dia em alguns períodos da sua vida. Nos últimos dois anos anos, terá enveredado pelo consumo de drogas mais pesadas, como a cocaína. Gostava de sentir o risco na pele. Manteve comportamentos arriscados, como sexo casual com desconhecidos. Sobre esta sua faceta, disse em entrevista ao jornalista  Piers Morgan que chegou a ter mais de 500 parceiros sexuais em sete anos - o que dá, contas feitas, um novo parceiro a cada cinco dias.

Foi detido várias vezes. Em fevereiro de 2006 foi preso por estar na posse de drogas. Em 2010 foi condenado a oito semanas de cadeia depois de se dar como culpado por conduzir embriagado. Incidências que se repetiram fazendo as primeiras páginas dos tablóides.

Em 2011, o músico viu-se obrigado a cancelar vários concertos por causa de uma pneumonia que, segundo disse depois numa entrevista, quase o matou. Recuperou e ainda lançou um álbum, o último da sua discografia, "Symphonica", em 2014. Depois deste disco, andou mais recolhido, fora dos alcance dos flashes. Neste verão, esteve na cerimónia de encerramento dos Jogos Olímpicos.

Álbum a caminho

No início deste mês, foi anunciado que o produtor e compositor Naughty Boy estava a trabalhar com Michael num novo álbum.

É com grande tristeza que podemos confirmar o nosso amado filho, irmão e amigo George morreu pacificamente em casa durante o período de Natal. A família pede que sua privacidade seja respeitada neste momento difícil e emotivo. Não haverá mais comentários nesta fase", disse o agente.

Michael estava a preparar um filme sobre a sua vida para a produtora Showtime, com data de estreia prevista para março do próximo ano. Num post no Facebook com cerca de dois meses, o músico mostrava-se entusiasmado com a descoberta de imagens "incríveis" e "inéditas" para este documentário.

Uma única vez em Portugal

George Michael esteve em Portugal uma única vez, em maio de 2007, num concerto em Coimbra. Promovido pela Ritmos & Blues, o concerto realizou-se no Estádio daquela cidade, levando uma calorosa multidão ao local. No concerto, os portugueses Fingertips fizeram o aquecimento para George Michael, que ali se apresentava no âmbito da "25 Live Tour".

Neste concerto, o músico passou revista a muitos dos êxitos da sua carreira, como "I'm Your man", "Father Figure", "Faith", "Everything She Wants", ou "Freedom 90".

Discografia

Álbuns de estúdio

  • 1987 - Faith
  • 1990 - Listen Without Prejudice Vol. 1
  • 1996 - Older
  • 1999 - Songs from the Last Century
  • 2004 - Patience

Compilações

  • 1998 - Ladies & Gentlemen: The Best of George Michael
  • 2006 - Twenty Five

Ao vivo

  • 1993 - Five Live
  • 2014 - Symphonica

VEJA TAMBÉM:

Verónica Ferreira Paula Oliveira / Notícia atualizada às 13:00 do dia 26 de dezembro