A autópsia realizada a George Michael foi considerada "inconclusiva" quanto à causa de morte, segundo um comunicado divulgado nesta sexta-feira pela polícia inglesa. 

As autoridades dizem que são necessários mais exames para determinar a causa de morte do cantor britânico, de 53 anos, que foi encontrado morto na sua casa, em Inglaterra, no dia de Natal.

Uma autópsia foi realizada na quinta-feira como parte da investigação à morte de George Michael. A causa de morte é inconclusiva e são necessários mais exames."

De acordo com a polícia do Vale do Tamisa, os resultados de novos testes "irão demorar várias semanas a ser conhecidos".

A morte de George Michael não foi até ao momento considerada suspeita pelas autoridades.

O agente da estrela da pop, Michael Lippman, deu a notícia ao mundo no passado domingo, adiantando ainda que George Michael tinha morrido devido a falha cardíaca.

Mundo esse, sobretudo o artístico, que ficou em choque.

Eram conhecidas as suas dependências de álcool e drogas e a suspeita de consumo de heroína chegou a ser avançada como provável causa de morte.

George Michael, que vendeu mais de 100 milhões de álbuns ao longo de uma carreira que se estendeu por quase quatro décadas, reconhecida com dois prémios Grammy e muitos êxitos, morreu no passado domingo, aos 53 anos.

De acordo com a BBC, o alerta foi dado pelas 13:42 do dia de Natal, hora local, pela equipa de emergência médica que foi chamada à propriedade de George Michael, em Goring.

Só também após a sua morte foi conhecida a sua faceta mais altruísta. George Michael doava milhões secretamente.

Catarina Machado