Um polémico documentário que revela que Michael Jackson terá abusado sexualmente de crianças estreou este domingo nos Estados Unidos. "Leaving Neverland" centra-se no testemunho de dois homens, Wade Robson e James Safechuck, que contaram, numa entrevista à BBC, que foram abusados sexualmente pela estrela pop desde que tinham sete e dez anos.

O coreógrafo australiano Wade Robson, que tem agora 36 anos, conheceu Michael Jackson quando tinha apenas cino anos depois de ter vencido um concurso de dança no seu país. Robson revelou, numa entrevista ao programa de Victoria Derbyshire, na BBC, que começou a ser abusado sexualmente por Michael Jackson quando tinha sete anos.

Cada vez que estive com ele, cada vez que passei uma noite com ele, ele abusou sexualmente de mim”, vincou o australiano.

“Jackson acariciava-me, tocava-me o corpo todo”, descreveu

Robson revelou ainda que o cantor lhe fez crer que havia amor entre os dois e que lhe chegou a dizer: “se alguém descobre alguma vez o que estamos a fazer, tu e eu poderemos ir parar à prisão para o resto das nossas vidas”.

Tudo isto era aterrador para mim. A ideia de me separar de Michael, este homem, esta figura de outro mundo, este deus para mim, que agora se havia tornado o meu melhor amigo, de maneira nenhuma eu iria fazer algo que nos afastasse”, acrescentou, sublinhando que o músico era um “mestre em manipulação”.

James Safechuck, por sua vez, conheceu Michael Jackson num anúncio publicitário para uma marca de refrigerantes e acabou por ser convidado pela estrela pop para ir em digressão com a sua banda. Safechuck, agora com 40 anos, disse que os abusos começaram quando tinha dez anos e o cantor o ensinou a realizar um ato sexual. Foi o primeiro de muitos outros atos e abusos.

Safechuck explicou ainda que Jackson o abusou durante tanto tempo porque o cantor também enganou os seus pais.

Foi um longo processo em que o Michael se integrou na família e começou a fazer parte dela. (…) Demorou algum tempo para ganhar confiança, não aconteceu do dia para a noite”, afirmou.

Questionados se os abusos tinham ocorrido “centenas e centenas de vezes”, os dois homens responderam que sim.

"Leaving Nerverland" é realizado pelo britânico Dan Reed. "Neverland" é o nome do rancho do cantor, a cerca de 200 quilómetros de Los Angeles, onde os abusos terão ocorrido.

O filme é uma coprodução entre a HBO e o Channel 4 e teve antestreia no festival de cinema de Sundance em janeiro, dez anos depois da morte da estrela pop.

O documentário estreou este fim de semana nos Estados Unidos, através da HBO, e na quarta-feira chega ao Reino Unido pelo Channel 4.

A família do músico diz que não há quaisquer “provas” que confirmem estas acusações contra o cantor e os gestores do seu património - mãe, filhos e instituições de caridade - já deram entrada com uma petição no Tribunal Superior de arbitragem de Los Angeles, pedindo 100 milhões de dólares de indemnização à HBO.