O cantor R. Kelly foi acusado de aliciar uma menor para sexo e prostituição no estado do Minnesota, nos Estados Unidos. A esta decisão, conhecida na segunda-feira, juntam-se outras 23. O norte-americano foi detido em Nova Iorque há pouco menos de um mês.

A nova acusação surge por parte de uma rapariga que disse ter sido paga para se despir e dançar para o artista, em 2001. A jovem tinha 17 anos quando ocorreram os factos.

O promotor do condado de Hennepin, Mike Freeman, confirmou a denúncia. R. Kelly terá conhecido a rapariga durante uma sessão de autógrafos, na qual lhe terá dado o número de telemóvel. A jovem ligou ao cantor e foi ter com ele ao quarto de hotel, onde terão ocorrido os factos agora conhecidos.

A alegada vítima foi recebida por um membro do staff do cantor, que o levou para junto do mesmo, e aí foi-lhe pedido que se despisse, em troca de 200 dólares (cerca de 180 euros) e que dançasse. Depois do encontro, a rapariga ganhou acesso à zona VIP de um dos espetáculos do cantor. O irmão da jovem achou estranho, uma vez que ela não tinha como pagar um bilhete para aquela área. Confrontrada pelo irmão, a jovem acabou por confessar aquilo que tinha acontecido. A queixa à polícia surgiu já em janeiro deste ano.

A vítima disse que foi ao concerto do acusado como convidada, que não tinha de pagar ou apresentar identificação e que esteve perto do palco durante o concerto. A vítima confirmou que ainda não tinha 18 anos, pelo que deveria ter sido impedida de aceder a um concerto que era para maiores de 18”, lê-se na acusação.

Pelos dois crimes de que é acusado no Minnesota, R. Kelly enfrenta uma possível condenação de 10 anos de prisão.

Por agora, encontra-se detido em Nova Iorque, onde está acusado, como no Illinois, da prática de pornografia infantil e de organizar um esquema no qual recrutava mulheres e menores para fazer sexo, entre outros crimes.

A onda de acusações terá sido despoletada pela estreia do documentário "Sobreviver a R. Kelly", que estreou no início deste ano. Desde então que se têm multiplicado as queixas contra o cantor de 52 anos.

O advogado de R. Kelly, Steve Greenberg, já reagiu às novas acusações, que classifica como “para lá de absurdas”.