A pianista portuguesa Maria João Pires teve de ser hospitalizada após uma queda na cidade de Riga, na Letónia, onde deveria encerrar, na noite de domingo, o Festival Riga Jurmala.

Minutos antes da hora prevista para o início da atuação, o diretor artístico do festival Martin Engstroem e o director executivo Zane Čulkstena subiram ao palco para anunciar que Maria João Pires tinha sofrido uma queda naquela tarde nas ruas de Riga e está agora no hospital a recuperar. Os dois descreveram o acidente como “bastante grave”, relata o site especializado em música clássica Slipe Disc.

Entretanto, através da sua conta oficial no Instagram, a artista informou que, após um período de descanso, poderá voltar aos palcos ao fim "algumas semanas", depois de ter descanso. Na sequência da queda Maria João Pires acabou por ficar com alguns ferimentos no ombro, tendo sido levada para o hospital como medida preventiva.

O pianista japonês Mao Fujita substituiu a portuguesa nesse recital que decorreu no teatro da Ópera Nacional da Letónia.

Maria João Pires, de 77 anos, é a mais conceituada pianista portuguesa. Considerada uma das melhores intérpretes de Beethoven e Mozart, mas também conhecida pelas suas interpretações de Bach e Chopin, Maria João Pires já ganhou inúmeros prémios. Em 2002, foi galardoada com o prémio do Conselho Internacional da Música (IMC), organização pertencente à Unesco pelo empenho e dedicação, sempre demonstrado, à música e ao seu ensino, e, em 2006, com o Prémio Internacional de Música Dom Juan de Borbón, concedido pela fundação com o mesmo nome.

O concerto do Maria João Pires, em Riga, que previa a interpretação de obras de Liszt e de Ravel, estava inserido numa digressão da pianista que, no último mês, já passou por Espanha, Áustria, Itália e que, em novembro e dezembro, prevê a sua atuação em salas de França, Holanda e Hungria, depois do seu regresso a Espanha.

Maria João Pires é também um dos principais nomes da Temporada Gulbenkian de Música 2021-2022, anunciada na semana passada.

Maria João Caetano