Artistas internacionais como Taylor Swift ou Justin Bieber expressaram esta terça-feira a solidariedade para com todas as pessoas afetadas pelo ataque cometido no concerto de Ariana Grande na noite de segunda-feira em Manchester, no Reino Unido.

Através da rede social Twitter, a cantora Taylor Swift disse: “Os meus pensamentos, preces e lágrimas estão com todos os afetados pela tragédia de Manchester. Envio todo o meu amor”.

Por seu lado, Justin Bieber partilhou, em forma de "hashtag", um apelo para que se reze por Manchester, enquanto Bruno Mars se mostrou “sem palavras” para descrever como se sente depois de ter visto o que aconteceu em Manchester: “Não quero acreditar que o mundo em que vivemos podia ser tão cruel”.

 

Todos os músicos sentem-se indispostos e responsáveis hoje – os concertos devem ser seguros para vocês. É realmente o pior pesadelo. Envio amor para Manchester e para Ari”, escreveu a cantora Lorde na mesma rede social.

 

Já Nicki Minaj afirmou que a sua cabeça estava dorida pela sua “irmã, Ariana, e todas as famílias afetadas por este evento trágico”, salientando que “vidas inocentes foram perdidas”.

John Legend endereçou também “amor para o Reino Unido, Ariana Grande e todos os seus admiradores que foram apanhados neste terrível ataque”, sentimento igualmente transmitido por Missy Elliott, entre muitos outros.

 

O cantor Shawn Mendes, em três mensagens no Twitter, lamentou o que classificou como “eventos impensáveis”, antes de escrever que “a música não tem nada a ver com isto”.

 

 

Também a equipa de Grande partilhou um comunicado nas redes sociais, no qual se pode ler que as “palavras não conseguem expressar a mágoa sentida pelas vítimas e famílias atingidas por este ataque sem sentido”.

Pelo menos 22 pessoas morreram e 59 ficaram feridas numa explosão na Arena de Manchester, no norte da Inglaterra, na segunda-feira, no final de um concerto da cantora Ariana Grande, segundo o balanço mais recente da polícia.

O comandante da polícia de Manchester, Ion Hopkins, disse que as autoridades suspeitam que o responsável foi um homem apenas, que morreu na explosão e que “transportava um engenho explosivo improvisado, que detonou, causando esta atrocidade”.

As autoridades britânicas estão a tratar este caso como um "incidente de terrorismo”.