"Ser reconhecida como a mulher do ano tem um significado especial para mim. Este foi o ano em que fiz o que queria, em vez de tentar fazer o que pensava que os outros queriam de mim". 



"Eu disse que queria um papel onde pudesse expor toda a minha angústia e raiva e que estava pronta para interpretar uma assassina. Foi o destino trabalhar em American Horror Story".



"Estou muito entusiasmada por mostrar às raparigas, e até aos homens, o que significa ser uma mulher de 30 anos. Porque é que temos a mania de descartar as pessoas quando chegam a esta idade? De repente, passamos a ser mulheres velhas. Eu não sou velha, caramba. Sou mais sexual, poderosa, inteligente e dona de mim mesma do que alguma vez fui", reforçou.