A cultura é uma das áreas mais afetadas pela pandemia de Covid-19. A cantora Márcia partilhou um texto no qual chamou a atenção para as dificuldades numa área que, mesmo sem pandemias, já é marcada por uma grande precariedade. 

Numa publicação no Instagram, a cantora revelou que, antes do sucesso, passou por várias dificuldades para pagar a roupa, a renda e até a comida.

Tive dificuldades para pagar a roupa, a renda, a comida que comia, tive até uma declaração de pobreza pela Segurança Social", diz.

A artista acrescenta que não teve quaisquer apoios.

Eu lutei e não me queixei, e sinto que vinguei", refere.

Falando de forma mais genérica, a cantora admite que a precariedade é algo transversal à cultura e pede que algo seja feito para ajudar os artistas.

Ao menos, querido país que eu amo, ao menos leva a sério quem faz tanto por ti e pela tua gente. A cultura é a vida. O resto é sobreviver", termina.

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

E o Mar à nossa espera. 💙 Não sentem - ao fim deste tempo de privação - que as coisas simples são as mais preciosas? Coisas que não percebíamos que eram tão valiosas, como um café numa esplanada, uma tarde com amigos, um abraço. Será que as vamos valorizar cada vez mais? Nesse rol de coisas simples, estão todas as que fazemos com prazer. A Arte, é uma delas. Não significa, por ter prazer ao criar música e outras coisas que crie, que não me esforce no caminho da excelência, com trabalho árduo. O meu pai dizia muito aquela frase do 1% de inspiração e o 99% de transpiração. Trabalho a sério, eu e todos os outros que aqui estamos no chamado mundo da cultura. Com prazer, espero eu, senão éramos só estúpidos. Porque o sacrifício é enorme. Talvez hoje não se note, porque posso pôr gasóleo no carro para dar um mergulho a uns klm’s de distância... mas até aqui, só sabe quem viu; tive dificuldades para pagar a roupa, a renda, a comida que comia, tive até uma declaração de pobreza pela seg social, que mesmo assim me cobrava à mesma... e zero apoio para me conseguir manter, porque não tinha direitos. Eu lutei e não me queixei, e sinto que vinguei. Mas às vezes não sei como saí daquele buraco. A precariedade na vida dos artistas e pessoal das artes é uma realidade. Gostava que não fosse. Ao menos, querido País que eu amo, ao menos leva a sério quem faz tanto por ti e pela tua gente. A cultura é a vida. O resto é sobreviver.

A post shared by MÁRCIA (@marcia__ig) on

Recorde aqui uma das músicas mais conhecidas de Márcia.

António Guimarães / atualizada a 22-05 às 15:37