A fadista Katia Guerreiro, que pela primeira vez actua no Olympia, em Paris, na próxima segunda-feira, tem preparado este espectáculo com «especial atenção», tendo feito um ensaio geral aberto ao público, em Lisboa, escreve a agência Lusa.

Katia Guerreiro sublinhou à Lusa a importância que tem para si cantar na «mítica sala francesa», onde apresentará «um alinhamento especial» em que incluirá o inédito «Alegoria», de João Mário Veiga, no fado Licas, de Armando Machado.

«O poema é uma viagem pelas letras que tenho cantado. Quem acompanha a minha carreira reconhecerá aqui e ali alguns deles», disse Katia Guerreiro.

A fadista irá também interpretar temas do repertório de Amália Rodrigues que tem gravado, como «Havemos de ir a Viana» e «Amor de mel, amor de fel».

Amália Rodrigues actuou pela primeira vez no Olympia em 1956 e foi, na altura, a artista estrangeira que mais vezes cantou na sala da rua das Capucînes.

«Claro que, por esta razão esta sala é mítica, muito especialmente para os fadistas, mas não só para os portugueses como para os próprios franceses», disse à Lusa Katia Guerreiro.

Do alinhamento constará ainda o tema de Charles Aznavour, «Lisboa», que incluiu no álbum «Fado» (2008), e «especialmente para o público francês» a canção «La plus belle chanson d'amour c'est vous», da cantora Barbara, falecida em 1997.

Katia Guerreiro será acompanhada à guitarra portuguesa por Luís Guerreiro e Pedro Castro, à viola por José Mário Veiga e no contrabaixo por Francisco Gaspar. Contará, como convidados especiais, com os pianistas Ricardo Vieira e Tomohiro Hata, que residem em Paris e «tocam juntos há vários anos».

A fadista prepara o espectáculo no Olympia «com todo o cuidado», tanto mais que será gravado para a edição daquele que será o seu primeiro DVD e, segundo disse à Lusa, «há já um canal televisivo internacional interessado em adquirir os direitos para transmitir».

Para a fadista, subir ao palco da rua das Capucînes «é uma conquista depois de muitos anos e muitos concertos em França», e afirmou estar «ansiosa» por segunda-feira.

«Estou ansiosa. Vai ser um dos grandes momentos da minha vida e da minha carreira artística, e é o reconhecimento de tudo isto que me deixa muito feliz», disse a criadora de «Segredos». «Eu acho que já merecia aquela sala», desabafou à Lusa.

Katia Guerreiro começou a cantar há 11 anos. Médica de profissão, divide-se entre a prática clínica como oftalmologista e os palcos. Editou o primeiro álbum, «Fado Maior», em Julho de 2007, contando já com seis álbuns e tendo gravado duetos com Maria Bethânia, Martinho da Vila e Ney Matogrosso.

No ano passado foi distinguida com o Prémio Amália para a Melhor Intérprete.

Depois de Paris, a fadista tem em agenda 37 concertos no estrangeiro. O primeiro está previsto para o dia 22 de Fevereiro no Prinzregententheater, em Munique, na Alemanha.