O músico José Luís, antigo vocalista dos Ekos, um dos grupos pop-rock portugueses dos anos 1960, morreu na terça-feira em Odivelas, aos 70 anos, em consequência de problemas cardíacos, disse o filho à agência Lusa.

José Luís era o nome artístico do músico José Manuel Moreira Lourenço, nascido em Lisboa, em 1946, que fundou o grupo Ekos, em 1963, ao lado de Edmundo Falé (que transitaria depois para o Conjunto Mistério), Mário Guia, António Joaquim Vieira, José João Santos e João Júnior.

Descrito à época como um conjunto 'ié-ié' lisboeta, "do género dos Beatles e dos Shadows", os Ekos interpretavam "os emergentes estilos do pop rock anglo-americano dos anos 1960", "bem como canções dos estilos da música pop italiana e francesa", lê-se na "Enciclopédia de Música em Portugal no Século XX".

A propósito de José Luís, a mesma enciclopédia refere que o estilo, a forma de cantar e de atuar do músico faziam lembrar Cliff Richard, dos Shadows, o que lhe valeu a alcunha de "Cliff" e "lhe garantiu, parcialmente, a popularidade dos bailes protagonizados pelo grupo".

Os Ekos foram contemporâneos de outros grupos e artistas como o Conjunto Académico João Paulo, Daniel Bacelar e Sheiks, e gravaram seis EP e canções como "Esquece" - uma versão do tema "Hold me" -, "Lamento aos céus", "Hoje, amanhã e sempre".

José Luís, que também trabalhou na Rádio Renascença, esteve durante anos afastado do grupo por causa da Guerra Colonial, quando foi destacado para Angola. O mesmo aconteceu com outros elementos, tendo ficado apenas Mário Guia e João Júnior na formação inicial.

Os Ekos voltaram a juntar-se na década de 1970, novamente com José Luís na voz, e gravaram o derradeiro disco, "Sol e paz".

Não foram ainda divulgadas informações sobre o funeral do músico.