Contando já mais de cinco anos de percurso os :papercutz são hoje compostos pelo fundador Bruno Miguel e por Marcela Freitas. Eles apresentam-se como uma banda que funde a electrónica e o multi-instrumentalismo acústico num formato pop, por forma a criar ambientes cinemáticos e que apelam ao sonho.

Em entrevista ao MySpace e IOLMúsica, Bruno acrescenta ainda que a banda não se extingue no estúdio mas que, pelo contrário, se assume completa no palco, onde tudo o que se passa, inclusive o espaço, contribuem para dar vida à imagética que parte das ambiências criadas.

Além dos músicos convidados que habitualmente acompanham a banda ao vivo, é Marcela Freitas quem veio preencher a vaga deixada por Melissa Veras na voz.

Questionado sobre a nova intérprete Bruno revela que «além do bom humor e de uma força necessária para enfrentar a condição de se ser músico, existe na Marcela uma portugalidade que a banda, não forçando, deseja vir a explorar no futuro», estando já a dupla a preparar o próximo álbum em conjunto.

«Articulated Forms»

«Apresentado sobre o ponto de vista de um observador;

a vida de um indivíduo no centro de uma metrópole cosmopolita que vive de peças e formas articuladas das quais depende para funcionar». Este é o conceito por detrás da promo edition de 2005, o primeiro lançamento dos :papercutz que se caracterizou musicalmente pela integração de cromatismos jazzísticos que simbolizavam o fascínio desse indivíduo pela cidade e as suas luzes.

«LYLAC»

«Toda a atenção vai para o debate interior deste ser, através do seu desencantamento acerca de uma sociedade muito centrada na sua racionalidade, sem qualquer inclinação para o seu lado intuitivo e emocional». Assim descrevem os :papercutz o conceito de «Lylac» (2008), aquele que a banda assume como o seu álbum de estreia.

Confessando que o indivíduo aqui descrito se trata de uma expansão de si próprio, Bruno explica que «Lylac» é como um contraponto com «Articulated forms». Enquanto o primeiro revelava o fascínio pela moderna urbanidade, o segundo dá voz a um desencantamento, veiculado musicalmente pela substituição do Jazz pelas melodias etéreas.

Entrevista com Papercutz

MyPortugal | Vídeo do MySpace

Na diligência para o Texas...

Preparando-se para apanhar a diligência para o Texas estão os :papercutz, visto que foram seleccionados a participar no icónico festival americano South by Southwest, em Austin.

A banda encara a experiência em terras do Tio Sam como uma oportunidade para atingir novos públicos e também de beber da envolvência e da diversidade de estilos que o SXSW oferece.

Para quem não conhece a banda, Bruno justifica que não têm «uma música fácil», mas acredita que se as pessoas conseguirem furar essa dificuldade inicial «encontrarão muita substância». Já Marcela confessa a profunda envolvência da banda nas ambiências e a entrega em palco, deixando um desafio a quem ainda não viu a banda ao vivo: «Sabendo que não vão a um concerto para abanar a cabeça ou mexerem-se muito... deixem-se envolver».