Roger Waters atuou, esta terça-feira à noite, em São Paulo, no Brasil, e o concerto ficou marcado pelo ativismo político a que o antigo integrante dos Pink Floyd já habituou os fãs. O músico exibiu no ecrã gigante a hashtag #EleNão e incluiu Jair Bolsonaro numa lista de neofascistas que já tinha nomes como Donald Trump (alvo habitual do músico) e Marine Le Pen.

As críticas a Bolsonaro, dois dias depois da primeira volta das eleições presidenciais no Brasil, ganhas por Jair Bolsonaro, arrancaram aplausos, mas também muitas vaias e assobios dos mais de 45 mil espectadores que estavam no  Allianz Parque, em São Paulo.

Após interpretar 'Eclipse', surgiu nos ecrãs a hashtag #EleNão, que tem sido utilizada nas redes sociais pelos críticos de Bolsonaro. Da plateia, ouviu-se o grito #EleNão, da parte dos críticos ao candidato presidencial. Os apoiantes do candidato do Partido Social Liberal gritaram, em resposta “Fora PT”, em referência ao partido de Dilma Rousseff e Lula da Silva, que estiveram à frente dos destinos do país durante 13 anos, e também do candidato Fernando Haddad, que vai defrontar Bolsonaro na segunda volta.