A cantora Simone de Oliveira lamentou a morte de Madalena Iglésias aos 78 anos, considerando que ficará para sempre ligada à história da música portuguesa com “Ele e Ela”, com o qual venceu o Festival da Canção.

Tenho muito pena, é um grande desgosto. Foi uma pessoa com quem eu convivi, apesar das rivalidades à época. Já não a via há muitos anos, desde que a convidei para vir ao espetáculo dos meus 50 anos de carreira no Coliseu”, adiantou.

Simone de Oliveira lembrou que há 30 anos, na década de 1960, existia um quarteto: a Simone, o António [Calvário], a Madalena e o Artur [Garcia].

Ela é a primeira do quarteto a morrer. É verdade que fomos rivais nessa época. Ela tinha um grupo de fãs muito complicado, mas eram coisas de miúdas de 24/25 anos. (…) Depois foi para Barcelona, teve uma vida boa sem preocupações financeiras”, disse.

No entender de Simone de Oliveira, o nome de Madalena Iglésias fica na história da música portuguesa, marcando uma época.

“O que fica? Como eu costumo dizer: o resto são cantigas! Ficam as cantigas, o “Ele e Ela” e a birra entre a Madalena e a Simone”, concluiu.

O cantor António Calvário, por sua vez, enalteceu o trabalho de Madalena Iglésias, sublinhando a cumplicidade que havia entre ambos.

 António Calvário, que trabalhou com Madalena Iglésias na música do filme “Sarilho de fraldas” e em “Uma hora de amor”, entre outras, considerou a cantora como “uma amiga de sempre”, com quem fez várias digressões em conjunto.

Recordo as digressões a nível mundial, mais do que uma vez fizemos os Estados Unidos e o Canadá”, afirmou António Calvário, que sublinhou que sempre manteve contacto próximo com Madalena Iglésias e a família.

“Sempre que ela vinha a Portugal telefonava e nós encontrávamo-nos e íamos almoçar, com um amigo comum. Foi a pessoa com quem mais lidei e a colega com quem mais trabalhei”, acrescentou o artista, que destacou também a grande cumplicidade que havia entre ambos.

“Foi uma amiga muito especial, nunca tivemos a mais pequena desavença, apoiávamo-nos muito mutuamente e éramos muito cúmplices”, afirmou.

 

A cantora Madalena Iglésias, que venceu o Festival da Canção em 1966 com a música "Ele e Ela", morreu esta terça-feira aos 78 anos numa clínica em Barcelona, Espanha, disse à Lusa uma fonte familiar.

O velório da cançonetista realiza-se hoje a partir das 18:00 locais (17:00 em Portugal), na sala 18 do Tanatório de Collserola, em Barcelona.