O músico Chris Cornell, que se tornou famoso como vocalista dos Soundgarden e, mais tarde, dos Audioslave, morreu na quarta-feira, aos 52 anos, anunciou o seu agente.

Numa declaração à Associated Press, o agente de Cornell, Brian Bumbery, acrescentou que o músico morreu na quarta-feira à noite, em Detroit.

Bumbery, que sublinhou que a morte de Cornell foi “repentina e inesperada”, disse que a mulher e família do músico estavam ainda em choque.

Na declaração, Bumbery acrescenta que a família trabalhará em conjunto com a equipa de médica de investigação para determinar a causa da morte e pede privacidade.

O vocalista tinha colocado horas antes uma foto na rede social Twitter. Cornell mostrou-se contente por estar em Detroit, onde atuou com os Soundgarden.

Doze anos depois do último concerto, os Audioslave tinham voltado a juntar-se em janeiro e atuaram numa noite de protesto contra a tomada de posse do novo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

Os Audioslave, que integram músicos dos Rage Against The Machine e dos Soundgarden, atuaram no Teragram Ballroom, em Los Angeles, numa noite programada pelos Prophets of Rage e intitulada "Power to the people".

A banda formou-se em 2002 depois, do ex-vocalista dos Soundgarden Chris Cornell se ter juntado aos membros dos Rage Against the Machine Tom Morello, Tim Commerford e Brad Wilk.