São sinais de perigo que alertam para a presença de sapos e existem apenas num troço da nacional 114, entre Évora e Montemor-o-Novo.

Foram colocados no âmbito de um projeto da Universidade de Évora, financiado pela União Europeia, para a conservação de várias espécies e habitats.

O local para a implementação do sinal foi escolhido pela enorme quantidade de anfíbios que existe por ali, e demorou mais de dois anos até à obtenção de autorização para a instalação experimental do sinal de perigo.

O facto de o sinal ser de perigo justifica-se pela segurança rodoviária. A densidade de animais atropelados é de tal forma elevada que se forma uma espécie de “capa” na estrada, o que pode causar uma derrapagem em caso de travagem repentina.

Num troço de apenas 100 metros, numa manhã, foram contabilizados cerca de 500 animais mortos. As estradas regionais também já estão a implementar sinais temporários com o mesmo objetivo: salvar vidas, quer seja a dos condutores ou a dos pequenos sapos.

 
Amílcar Matos / CDC