No espaço de comentário "Global" desta semana, Paulo Portas começou por analisar o encontro histórico entre Donald Trump e Kim Jong-un. Trump foi o primeiro presidente dos Estados Unidos a entrar na Coreia do Norte.

Para o comentador da TVI, a atitude de Trump tem como positivo o facto de o presidente dos Estados Unidos ter afastado "a ameaça que é a Coreia do Norte". 

Contra ele pode dizer-se que banalizou a Coreia do Norte, sem a Coreia do Norte fazer algum esforço na desnuclearização. No fim, tudo isto acontece com uma imagem espetacular, mas a substância é que o programa nuclear da Coreia do Norte não se agravou, mas também não retrocedeu", defendeu.

Sobre a cimeira do G20, que aconteceu entre sexta-feira e sábado, no Japão, Paulo Portas destacou que o encontrou "correu ligeiramente melhor do que as expectativas mais pessimistas".

Mostrou que o G20 pelo menos já serviu para parquear a guerra comercial entre os EUA e a China. Já é uma utilidade", referiu.

No espaço de comentário de Paulo Portas esteve ainda em destaque a cimeira deste domingo que reuniu os líderes da União Europeia, para decidirem quem irá ocupar os cargos europeus de topo, como a presidência da Comissão Europeia.

O ex-líder do CDS afirmou que o socialista holandês Frans Timmermans "é a pessoa mais provável para conseguir o cargo, mas não é certo que haja acordo hoje nem que o acordo termine com ele à frente da Comissão".

Frans Timmermans gerou uma certa reação nos países de Leste, que ele atacou muito quando era vice-presidente da Comissão, na Itália e em alguns países que são governados pelo PPE e não percebem o motivo para Merkel entregar a presidência da Comissão aos socialistas", lembrou.

"Acordo entre UE e Mercosul é uma enorme oportunidade para Portugal"

Paulo Portas destacou também o acordo histórico assinado pela União Europeia e o Mercado Comum do Sul (Mercosul), que pôs fim a 20 anos de negociações.

Isto é muito importante, porque o Mercosul exporta muita carne para a Europa e a Europa exporta maquinaria, automóveis e, no caso português, muito vinho e muito azeite para o Mercosul. Isto é uma enorme oportunidade para Portugal", sublinhou.

O comentador da TVI falou também sobre a fotografia que chocou o mundo nos últimos dias ao mostra um pai e uma filha que morreram afogados ao tentar atravessar a fronteira do México para os Estados Unidos.

Nesta matéria nós viveremos catástrofe atrás de catástrofe em termos humanitários enquanto não percebermos que só se conseguem gerir políticas migratórias se se conseguir um acordo e cooperação ativa entre o país de origem, o país de passagem e o país de destino

Paulo Portas lembrou que, no mês de maio, 145 mil imigrantes irregulares atravessaram a fronteira do México para os Estados Unidos, "o que é mais num mês do que tudo o que a Europa conseguiu distribuir quando foi a crise dos refugiados, excetuando a Alemanha".

A autoridade moral que a Europa tem para falar sobre este assunto é nula", alertou.

Beatriz Martinho