Paulo Portas, no seu espaço de comentário semanal no Jornal das 8, na TVI, analisou os protestos contra o racismo, que ganharam uma nova vida um pouco por todo o mundo depois da morte do afro-americano George Floyd. Na última semana a estátua do padre António Vieira foi vandalizada, em Lisboa, e este domingo, em Braga, a estátua do Cónego Melo também tinha dizeres feitos com tinta vermelha. 

Na ótica do comentador "é preciso ter pontaria para acertar tanto nos alvos errados".

Sobre Winston Churchill, Paulo Portas disse que lhe devemos a nossa liberdade enquanto ocidentais, sobre padre António Vieira, lembrou que foi um humanista. Chamou ainda a atenção para um livro recentemente publicado sobre a vida desta figura portuguesa, cujo título é "Cada homem tem a cor do seu coração", dizendo que "isto já diz alguma coisa"

Sobre Cristóvão Colombo, o comentador referiu que devemos a este símbolo dos descobrimentos "o facto de conhecermos o mundo como ele é". Em suma, considerou estes vários atos de vandalismo contra estátuas um:

Ataque à liberdade, ataque ao humanismo e um ataque ao conhecimento"

Entendeu como um "ato de hipocrisia" a decisão da HBO de retirar temporariamente do catálogo o filme "E Tudo o Vento Levou", dizendo que é necessário que a discriminação racial mostrada na longa-metragem seja acompanhada por uma justificação histórica. 

Considera perigoso as pessoas que pretendem que a História não seja aquilo que aconteceu, mas sim aquilo que gostavam que tivesse acontecido. 

Bem sei que o disparate é livre e que na liberdade de pensar, está a liberdade de pensar a asneira", acrescentou. 

Covid-19: "Tivemos uma evolução perigosa de contágios em Lisboa"

Paulo Portas considerou que nas últimas três semana Lisboa teve uma evolução de contágios perigosa e que isso pode ter sido proporcionado pelos feriados e pontes. 

Referiu ainda que os aeroportos portugueses receberam, no sábado, 118 voos com um total de cerca de 8.000 pessoas. Nesse sentido, apelou para um reforço das medidas nos aeroportos, uma vez que os passageiros quando chegam ao país só lhes é medida a temperatura e entregue um panfleto com o número de telefone da Saúde 24. 

Nós temos de ter um sistema de inquérito sanitário, que se pode preencher online", sugeriu. 

 

Vacinas e tratamentos

O comentador da TVI acredita que os tratamentos para a Covid-19 vão chegar primeiro que uma vacina, uma vez que existe cada vez mais investimento, quer público, quer privado. 

Referiu, no entanto, que nesta semana "houve um avanço radical na questão das vacinas"

Chamou também a atenção para os imensos tratamentos que estão a ser testados, que se baseiam na gravidade dos sintomas do vírus e que se orientam nesses diferentes caminhos. 

Paulo Portas elaborou um gráfico no qual apontou as vantagens e os defeitos da Organização Mundial de Saúde ou, melhor dizendo, os momentos que a organização falhou e os momentos em que esteve certa ao longo desta pandemia. E referiu que têm sido publicado imensos estudos, muitos deles sem a revisão de pares adequada. 

Houve ainda tempo para comentar os novos surtos registados nos últimos dias em Pequim e o cenário da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) para o caso de surgir uma segunda vaga. 

/ CE