O presidente da Câmara Municipal de Lisboa desmentiu que tenciona acabar com o alojamento local na capital.

“Não vou acabar com alojamento local em Lisboa, nem sequer teria poder para tal. Foi uma interpretação abusiva, que aliás o Independent já corrigiu. O alojamento local teve uma importância para responder ao aumento da procura na cidade de Lisboa e por outro lado teve um papel na reabilitação da cidade", afirmou.

O autarca explicou ainda que o que quis dizer foi que "não podemos ter a mesma cidade" que existia antes da pandemia e que é tempo de resolver problemas. 

Segundo Fernando Medina, em Lisboa há cerca de 25 mil apartamentos em aluguer de curta duração agora vazios e que a autarquia quer alocar ao arrendamento jovem e à classe média com vantagens fiscais para os proprietários.

Medina fala de uma política inovadora à escala europeia e que pode ajudar a resolver o problema de muitas famílias. A primeira fase de candidaturas do programa renda segura, que terminou na passada sexta-feira, tem mais de 300 imóveis inscritos, dos quais 45 são de alojamento local.

Esta segunda-feira, o jornal britânico publicou um artigo de opinião de Fernando Medina, escrevia que queria ver os alojamentos 'Airbnb' transformados em casas que visam acolher os trabalhadores essenciais com rendas mais acessíveis.

A intenção foi comunicada num artigo de opinião no jornal britânico Independent, onde o autarca fez uma reavaliação das prioridades pós-pandemia.

Redação / AM