Na rúbrica "A Hora de Constança" da 21ª Hora da TVI24, a comentadora da TVI Constança Cunha e Sá analisou o possível fim do CDS.

Constança Cunha e Sá acredita que os resultados das eleições legislativas ditaram o fim do partido e as sondagens têm vindo a confirmar essa opinião.

As sondagens têm vindo a mostrar que a tendência de descida do CDS não para. Nesta altura, o CDS está empatado com a Iniciativa Liberal", disse a comentadora, afirmando que não se sabe como é que o partido pode inverter a tendência.

Constança Cunha e Sá disse que não existe uma personalidade forte para liderar o CDS e que não há nenhum candidato óbvio para tomar o cargo de Assunção Cristas.

O CDS tem tido posições muito próximas do Chega", diz Constança Cunha e Sá, referindo as posições do partido em relação às forças policiais e às celebrações do 25 de Novembro.

Porém, a comentadora afirma que o problema do CDS se extende a toda a direita.

A última vez que o PSD esteve no Governo foi sempre em aliança com o CDS. Ora, um CDS com 2,9% não serve de nada ao PSD", diz.

Constança Cunha e Sá afirma ainda que os partidos pequenos têm condicionado bastante a agenda política.