"E a verdade é que nos últimos anos de facto Cavaco Silva colou-se e muito ao discurso do governo", afirmou Constança.


o último grande discurso de Cavaco Silva enquanto Presidente da República" - para

"Porque Cavaco Silva vai buscar dois exemplos, que por acaso são únicos, em que terá feito uma leve crítica ao governo: um foi quando, numa mensagem, falou da ameaça recessiva. E diz também que deu voz aos que não tinham voz quando disse que há limites para os sacrifícios, nomeadamente para os pensionistas".


"O problema é que desde aí que Cavaco Silva não tornou as mínimas distâncias em relação ao discurso e à ação do Governo, nomeadamente, se ele em 2011 achava que o limite de sacrifícios já tinha chegado, não se compreende como é que nunca fez nada em relação aos Orçamentos de Estado que cortaram substancialmente as pensões dos pensionistas e dos reformados. Nunca fez qualquer pedido de fiscalização preventiva, a não ser no fim. Este discurso confirma, de facto a colagem que o Presidente da República tem em relação ao discurso do Governo", afirmou a comentadora, reiterando que "se se comparar o discurso é exatamente o mesmo".