No seu espaço de comentário na 21.ª Hora, Constança Cunha e Sá falou esta segunda-feira sobre o pacote de medidas apresentadas pelo Governo contra a corrupção, que serão agora debatidas por um grupo de trabalho. 

Referindo-se especificamente à delação premiada, Constança Cunha e Sá refere que não se sabe em que moldes a ministra da Justiça quer implementar em Portugal esta medida, que pode ser antidemocrática, como o demonstram os exemplos de Estados Unidos e Brasil. Sublinha que este pacote legislativo de luta contra a corrupção não é mais do que um conjunto de intenções e defende que parece surgir a reboque das acusações de partidos extremistas, que fazem parecer o país "um oásis de corrupção", imagem que não corresponde à verdade.

Sobre o Orçamento do Estado para 2020, e na véspera de o ministro das Finanças se reunir com os partidos, Constança Cunha e Sá diz que ainda não se conhecem medidas concretas do OE, sabe-se apenas o que é que não vai constar do documento, nomeadamente o englobamento dos rendimentos ou os aumentos para a função pública.

Temos tudo chutado para 2021", assinala. 

/ BC