««Não é só a esquerda. Radiante talvez seja excessivo a outros setores da sociedade portuguesa, mas eu acho que qualquer cidadão português que não reconhece na austeridade uma via única e a única via para a salvação da Europa vê com alguma expectativa a vitória do Syriza. Portanto, é natural que pessoas da direita à esquerda, até porque como se vê na Grécia e até um pouco aqui em Portugal, a divisão esquerda e direita cedeu um pouco espaço a uma oposição mais premente, que é uma oposição mais a favor ou contra a austeridade», afirmou.