Constança Cunha e Sá comentou, esta segunda-feira, na 21.ª Hora da TVI24, os insultos racistas de que foi alvo o jogador do FC Porto Marega em Guimarães. A comentadora da TVI disse que o gesto de Marega “representa milhões de pessoas que não querem ver este país transformado num paraíso de racistas”.

A comentadora afirmou que Portugal pode não ser um país estruturalmente racista, mas é "um país onde existe racismo e onde o fenómeno está a crescer", destacando a chegada do partido de extrema-direita Chega ao Parlamento como exemplo disso mesmo.

A ideia idílica que tínhamos de nós próprios não corresponde à realidade. Podemos não ser um país estruturalmente racista, mas somos um país onde existe racismo e onde este fenómeno está a crescer."

Sobre o caso concreto que envolveu o jogador Marega, Constança Cunha e Sá deixou duras críticas à reação do presidente do Vitória de Guimarães, considerando que o responsável tentou justificar o racismo com atenuantes.

O presidente do Vitória de Guimarães tentou justificar racismo com atenuantes, ora o racismo não se justifica.”

A comentadora disse ainda que o comunicado da claque do clube, White Angels, mostra "a impunidade absoluta em que esta gente vive".

Por isso, Constança Cunha e Sá não tem dúvidas: "É preciso tomar medidas e medidas sérias que proíbam isto, temos penas muito leves para este tipo de coisas".

/ SS