Perante o aumento de contágios por covid-19 em Portugal, o Governo já confirmou o regresso ao confinamento no país. Este foi o tema principal da análise semanal de Paulo Portas, no espaço Global.

O nosso país voltou a cair na categoria de países considerados de alto risco, algo que o comentador considera que era evitável.

Sobre o confinamento que aí vem, Paulo Portas afirma que o mesmo poderá ser duradouro: "Se tivermos mais uma dezena de dias com 10 mil novos contágios, o sistema colapsa", disse, citando um especialista que consultou.

Para o analista, aquilo que o Presidente da República está a pensar são duas renovações de estado de emergência a partir do dia 15 de janeiro, o que atiraria o país para medidas severas até pelo menos meados de fevereiro.

Temos de contar com um estado de emergência até 13 de fevereiro", afirmou.

Reconhecendo as consequências na vida das pessoas e também na economia, Paulo Portas lembra que o pico deve ser atingido algures esta semana.

Assim, a regra será voltar a ficar em casa, num recolhimento em muito semelhante ao de abril e maio.

Relativamente às escolas e à possibilidade de serem locais de focos de contágio, Paulo Portas lamenta a ausência de mais estudos sobre o tema, lembrando que essa decisão é impactante nos cofres do Estado e também nas vidas dos pais.

Falando concretamente sobre o impacto das medidas aplicadas na época do Natal, o comentador diz que o primeiro-ministro optou por ser popular em vez de ser prudente.

Quando as autoridades relaxam como nenhum outro país da Europa relaxou paga-se a fatura", apontou.

Fazendo o comparativo com outros países da Europa, Paulo Portas nota que quem tomou medidas mais cedo atravessa agora uma situação menos penosa.

Para o analista, Portugal está a cometer erros na gestão da pandemia pela terceira vez, sendo novamente com base num "excesso de confiança".

Portugal registou este domingo mais 102 mortes e 7.502 novos casos confirmados de infeção pelo novo coronavírus, uma nova redução em relação aos aumentos do último dia, segundo o boletim da Direção-Geral de Saúde (DGS).