Manuela Ferreira Leite esteve na 21ª Hora da TVI24, onde alertou para a falta de políticas eficazes para combater a desertificação do interior e explicou como Portugal está a ser o destino de luxo para a importação de lixo.

A comentadora começou por explicar a decisão do Banco de Portugal de pagar um anúncio num jornal para notificar o ex-presidente da mutualista Montepio Geral, Tomás Correia.

A decisão do Banco de Portugal, em situações desta natureza, não pode ser tomada de ânimo leve. Só com enorme segurança jurídica são tomadas este tipo de decisões", afirmou.

A comentadora afirmou que os prazos das notificações estão estabelecidas em regulamentos que foram seguidos. "A publicação deve ter seguido aquilo que os regulamentos dizem".

Os programas que o Governo está a aprovar sobre os incentivos para o desenvolvimento do país foram outro tema que Manuela Ferreira Leite destacou. Esclarecendo que incentivos para pessoas que mudem de trabalho e que vão trabalhar para o interior ou bonificações dadas a empresas que aceitam estágios profissionais não provocam qualquer mudança.

É evidente que esta não é uma estratégia. Isto é um programa de marketing em que não falta nada, exceto conteúdo. Porque estratégia de desenvolvimento do interior faz-se como se fez há algum tempo quando as universidades foram distribuídas pelo país", sublinhou, acrescentando que é necessário existirem polos de atração.

Manuela Ferreira Leite defendeu que dar subsídios "não é estratégia para ninguém". "Alguém que ache que este tipo de políticas podem assentar num incentivo de natureza financeira dado de uma vez, num valor que não é o do Euromilhões, é pensar que se consegue resolver problemas com dinheiro e compra".

A comentadora destacou o facto de se existirem alterações no Governo, não existe garantia de que os subsídios permanecerão intactos.

Manuela Ferreira Leite explicou ainda que Portugal importa toneladas de lixo de outros países a preço de saldo, cobrando apenas 10 euros por tonelada para o depósito de resíduos, quando a média europeia se situa entre 80 e os 100 euros.

Sobre este tema, Ferreira Leite afirmou que o ministro do Ambiente tem tido durante vários anos manifestações encabeçadas pelos respectivos autarcas das zonas afetadas e, mesmo assim, o lixo continua a duplicar nestes aterros.