Miguel Sousa Tavares destacou "a derrota inglesa" no Brexit, as novidades no caso E-Toupeira, a greve dos estivadores e as declarações de Trump no comentário semanal no Jornal das 8, desta segunda-feira. 

Depois de uma semana marcada pelos avanços no acordo do Brexit, Miguel Sousa Tavares defendeu que a saída do Reino Unido resulta de "um discurso baseado em propaganda demagógica"

O problema foi David Cameron, para calar as vozes descontentes no partido conservador, ter marcado um referendo", defendeu Miguel Sousa Tavares.

A maior crítica em todo o processo foi para a primeira-ministra britânica, que acusa ter mudado de posição por várias vezes e não compreende a postura que culminou com o discurso de "um bom acordo para o Reino Unido ou uma saída sem acordo".

A Inglaterra queria ficar com tudo o que era a parte boa e ficar sem a parte má, mas não conseguiu ficar com a parte boa", disse Miguel Sousa Tavares.

Sobre o caso E-Toupeira, Miguel Sousa Tavares diz "acreditar na presunção de inocência até prova em contrário". Quanto ao Benfica, defende que o clube da Luz deve provar que "as informações foram passadas sem conhecimento".

Miguel Sousa Tavares críticou a postura dos encarnados em relação ao ex-assessor, "pelo agradecimento quando Paulo Gonçalves se demite e pela negação de conhecimento quando foi acusado".

António Mariano, presidente do Sindicato dos Estivadores e da Actividade Logística (SEAL), foi convidado para explicar a posição dos trabalhadores precários do porto de Setúbal.

O final do Jornal das 8, ficou marcado pela crítica de Miguel Sousa Tavares às sucessivas declarações de Donald Trump sobre os incêndios da Califórnia, considerando que se de ter "medo de um líder que junta arrogância e ignorância".