No comentário semanal de atualidade política, na 21.ª Hora, na TVI24, Manuela Ferreira Leite analisou os resultados eleitorais das legislativas de domingo. A comentadora da TVI24 reconhece que os resultados eleitorais do PSD não foram os melhores, mas sublinha que o partido perdeu “uma base forte de apoio, que eram os reformados”.

“Ganhámos na faixa entre os 31 e os 40 anos e ganhámos nas pessoas com qualificações técnicas superiores. E isso é um aspeto importantíssimo naquilo que é uma base sólida para que um país cresça. Quando se tem este capital na mão e se acha que o melhor é deitar este capital fora…”

Questionada por José Alberto de Carvalho se Rui Rio deve continuar no partido, Ferreira Leite disse esperar que sim: “Na minha perspetiva, se não o fizer, o PSD esfrangalha-se, porque isto que ele conseguiu, não vejo no horizonte quem possa consegui-lo”.

A comentadora considera que a oposição pela oposição já não conquista votos e sublinha que “o tipo truculento, aquele sujeito um bocadinho trauliteiro, aquele sujeito que está permanentemente contra, que está permanentemente em oposição não dá grandes resultados”. E atira: “Veja-se o que aconteceu ao CDS. O CDS orgulhava-se de ser o único partido que fazia verdadeira oposição (…) não teve resultados.”

Ferreira Leite não poupa elogios a Rio: “Fala quando tem que falar. Se não falar oito dias, não fala. E se precisar de dizer que uma coisa que venha do opositor é boa para o país, ele diz que é boa para o país”.

“Ele pode ir embora se for essa a sua decisão, mas deixa, por muito tempo, o partido esfrangalhado. Não ficámos contentes com o resultado destas eleições, mas iríamos para muito pior se ele não tomasse conta do partido”, remata.